Início » Internacional » MP de Portugal investiga Universal por tráfico de crianças
APÓS DENÚNCIA

MP de Portugal investiga Universal por tráfico de crianças

Igreja Universal do Reino de Deus acusa emissora portuguesa de fazer 'campanha difamatória e mentirosa'

MP de Portugal investiga Universal por tráfico de crianças
A Universal tem hoje mais de 120 igrejas em Portugal (Fonte: Reprodução/ionline)

A Igreja Universal do Reino de Deus está sendo acusada por uma emissora de TV portuguesa de ter articulado uma suposta rede de tráfico internacional de crianças que teria como centro do esquema uma casa de assistência mantida em Lisboa na década de 1990.

O Ministério Público de Portugal e o Ministério de Segurança Social do país iniciaram uma investigação para apurar a denúncia. O inquérito foi aberto na semana passada e está a cargo do Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa.

De acordo com a TVI, a Universal e a família do seu líder, bispo Edir Macedo, teriam articulado uma rede de raptos de crianças com base na capital portuguesa.

A emissora, que fez uma série de reportagens intitulada “O Segredo dos Deuses”, afirma também que dois netos de Edir Macedo teriam saído de forma irregular de Portugal para serem adotados no Brasil.

A primeira de um total de dez reportagens foi ao ar nesta segunda-feira, 11, denunciando um esquema clandestino de doações de crianças, que teriam sido entregues diretamente ao Lar Universal “à margem dos tribunais, por famílias em dificuldades financeiras”.

Essas crianças, ainda segundo a TVI, desapareciam após serem entregues. Muitas delas “acabavam no estrangeiro”, adotadas irregularmente.

A Igreja Universal do Reino de Deus afirma, por sua vez, que se trata de uma “campanha difamatória, mentirosa”, e nega todas as acusações. A Universal tem hoje mais de 120 igrejas em Portugal.

Fontes:
Folha de S.Paulo - Portugal investiga suposto tráfico de crianças articulado pela Universal

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *