Início » Internacional » Navio de expedição do século XIX é encontrado no Canadá
Mistério resolvido

Navio de expedição do século XIX é encontrado no Canadá

Governo canadense encontra no fundo do mar um dos navios da lendária expedição feita por John Franklin, em 1845, no Ártico

Navio de expedição do século XIX é encontrado no Canadá
Ainda não se sabe se o navio encontrado é o HMS Erebus ou o HMS Terror (Reprodução/Reuters)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Em 1845, o explorador inglês John Franklin lançou uma expedição no Ártico para tentar achar uma rota para Ásia através da Passagem Noroeste, localizada entre os oceanos Atlântico e Pacífico.

Porém, os dois navios usados na expedição, o HMS Erebus e o HMS Terror, encalharam no gelo, obrigando Franklin e os outros 128 tripulantes a desembarcar. Posteriormente, os corpos de todos foram encontrados, com sinais de canibalismo, o que indica que morreram de fome. Mas um mistério permaneceu: onde foram parar os navios da expedição?

Na semana passada, uma parte desse mistério foi resolvida, quando uma expedição feita pelo governo canadense encontrou um dos navios no fundo do mar, no Golfo Rainha Maud, território ártico do Canadá.

Os esforços para encontrar os navios desaparecidos começaram em 2008, quando o primeiro-ministro canadense, Stephen Harper, deu início à primeira de muitas expedições anuais para encontrar os navios. Este ano, os esforços combinaram uma parceria entre o governo e duas instituições privadas.

No último dia 9 deste mês, Harper anunciou pessoalmente a descoberta. Ainda não se sabe se o navio encontrado é o HMS Erebus ou o HMS Terror. A descoberta foi feita graças a uma grande perseverança e sorte de Harper. Quando ele iniciou suas buscas pelos navios, parecia apenas um ato quixotesco  de um governo ansioso para marcar sua soberania no Ártico. Contudo, Harper riu por último. Até mesmo a Rainha da Inglaterra mandou suas congratulações pela descoberta.

Fontes:
The Economist-Out of the darkness

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *