Início » Cultura » Artes Plásticas » Negociador de arte dos nazistas tem mais obras de arte em casa na Áustria
Arte na Áustria

Negociador de arte dos nazistas tem mais obras de arte em casa na Áustria

As 60 obras recém-descobertas em Salzburgo são principalmente pinturas e incluem quadros de Claude Monet, Edouard Manet e Picasso

Negociador de arte dos nazistas tem mais obras de arte em casa na Áustria
Casa de Gurlitt na Áustria, onde mais 60 peças foram encontradas (Reprodução/TWSJ/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O colecionador de arte alemão Cornelius Gurlitt, de quem as autoridades confiscaram 1.400 obras de arte em Munique há dois anos, esconde dezenas de outros tesouros em sua segunda casa em Salzburgo, na Áustria , disseram seus representantes nesta terça-feira, 11.

Leia Mais: Apartamento alemão tinha 1.500 obras de artistas de renome
Leia Mais: Como se devolve obras de arte pilhadas pelos nazistas?

As 60 obras recém encontradas em Salzburgo são principalmente pinturas e incluem quadros de Claude Monet, Edouard Manet, Pierre- Auguste Renoir e um trabalho em papel de Pablo Picasso. Elas nunca estiveram sob custódia da polícia e foram transferidas para um depósito.

Muitas das obras apreendidas na Baviera, no início de 2012, como parte de uma investigação fiscal, foram provavelmente saqueadas pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Tal possibilidade põe o tesouro em um limbo legal.

Representantes de Gurlitt (um tribunal nomeou um tutor, um advogado e um porta-voz) disseram em um comunicado que a proveniência das obras recém-descobertas seria examinada para ver se alguma delas foi saqueada. Porém, eles adiantaram que uma inspeção inicial sugere que não.

O advogado, Hannes Hartung, declarou mês passado que Cornelius, filho do falecido Hildebrand Gurlitt, um dos principais negociantes de arte de Adolf Hitler, está disposto a negociar com as famílias das vítimas dos nazistas, buscando devolver obras saqueadas.

No direito alemão, qualquer venda realizada entre 1933 e 1945 por um judeu a um não-judeu é considerada como tendo sido feita sob coação, a menos que possa ser provado que o comprador pagou um preço de mercado justo e não era filiado com os nazistas.

Uma força-tarefa nomeada pelo governo alemão está investigando a proveniência de cerca de 500 peças da coleção Gurlitt que podem cair sob o âmbito de aplicação dessa lei. Mesmo assim, a compra e venda podem ter prescrito, o que não obrigaria Gurlitt a devolver quaisquer obras saqueadas.

 

Fontes:
The Wall Street Journal

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *