Início » Internacional » Nelson Mandela
NESTA DATA

Nelson Mandela

Símbolo da luta contra o apartheid, Nelson Mandela nasceu em 18 de julho de 1918

Nelson Mandela
Nelson Mandela foi o primeiro presidente negro da África do Sul (Reprodução/Internet)

De etnia Xhosa, Nelson Mandela nasceu em um pequeno vilarejo na região de Transkei, África do Sul, em 18 de julho de 1918. Seu verdadeiro nome era Rolihlahla Madiba Mandela. Aos sete anos, foi o primeiro membro de sua família a frequentar a escola, onde recebeu o nome inglês Nelson.

Em 1934, com apenas 16 anos, se mudou para Fort Beaufort, cidade com escolas que recebiam a maior parte da realeza Thembu. Lá se interessou por corrida, boxe e se matriculou em um curso para se tornar bacharel em direito na Universidade de Fort. Foi nessa época que conheceu Oliver Thambor, com quem iniciou uma grande amizade. Mandela se uniu ao movimento estudantil em um boicote contra as políticas universitárias, terminando expulso da instituição. Terminou sua graduação em Johanesburgo, em um curso por correspondência da Universidade da África do Sul.

Durante os 27 anos que passou na prisão, Mandela se tornou símbolo da luta contra o apartheid e ícone da campanha “Libertem nosso Mandela” (Reprodução/Internet)

Ainda estudante, se envolveu na oposição ao regime do apartheid, que negava aos negros, índios e mestiços (que compunham a maioria da população) direitos políticos sociais e econômicos. Nessa época, uniu-se ao partido Congresso Nacional Africano (CNA) e dois anos depois, em 1942, fundou com Oliver Thambor e Walter Sisulu a liga jovem do CNA. Quando os afrikaners (partido nacional que apoiava o apartheid) venceram as eleições de 1948, Mandela se tornou mais ativo na oposição ao regime de segregação racial. Em 1955, divulgou a Carta da Liberdade, um dos documentos mais importantes da causa antiapartheid.

Apesar de ser comprometido com atos não violentos, Mandela decidiu recorrer à luta armada após o massacre de Sharpeville, em março de 1960, quando a polícia sul-africana atirou contra manifestantes negros, matando 69 pessoas e ferindo 180.

Nos dois anos seguintes, comandou uma campanha de sabotagem contra alvos militares do governo e viajou por outros países africanos para treinamento paramilitar. Em 1962, agentes da CIA repassaram à polícia sul-africana informações sobre o paradeiro de Mandela, que acabou preso e condenado a cinco anos por incentivar greve. Em 1964, sua pena foi alterada para prisão perpétua por sabotagem.

Durante os 27 anos que passou na prisão, Mandela se tornou símbolo da luta contra o apartheid e ícone da campanha “Libertem nosso Mandela”. Foi solto em 1990, aos 72 anos, por ordem do então presidente Frederik de Klerk, com quem Mandela dividiu o prêmio Nobel da Paz.

Em 1994, se tornou o primeiro presidente negro da África do Sul, cargo que exerceu até 1999. Durante seu mandato, Mandela iniciou a política de reconciliação que culminou no fim do apartheid. Após o fim do mandato, Mandela se envolveu em questões sociais e de direitos humanos, como a campanha de combate à AIDS intitulada “46664”, seu número na prisão.

A luta contra a segregação racial e pelos direitos humanos rendeu a Mandela vários prêmios internacionais, como a Ordem de St. John, da rainha Elizabeth 2ª, a medalha presidencial da Liberdade, de George W. Bush, o Bharat Ratna (a distinção mais alta da Índia) e a Ordem do Canadá.

Nelson Mandela morreu em 5 de dezembro de 2013, aos 95 anos de idade. Ele estava em sua casa, em Pretória. O líder sul-africano lutava contra uma infecção pulmonar. Seu funeral durou 12 dias, e seu corpo foi enterrado na aldeia de Qunu.

 

Fontes:
UOL-Nelson Mandela

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

4 Opiniões

  1. olbe disse:

    Um homem simples e sofrido é aceito e homenageado como unanimidade mundial

  2. Áureo Ramos de Souza disse:

    Este de fato foi um lutador pelo seu povo, sempre defendendo de todos os modos e sem precisar da luta armada, mesmo preso continuou sua luta e com prisão perpetua seu povo lutou o tirou da prisão, foi solto e tornou-se presidente dando continuidade ao trabalho da desigualdade social. Este de fato foi um presidente e que ninguém viu ou ouviu falar de falcatruas assim como ocorreu e ocorre no Brasil. De classe pobre, cresceu, formou-se em direito e chegou ao topo sem super-faturar obras assim como aconteceu a copa do mundo na África. Grande estadista que o mundo todo hoje reverencia. Nunca o esqueceremos MADIBA, Deus o esta esperando de braços abertos

  3. kalil Saliba disse:

    A Africa do Sul é um país rico, essa riqueza continua nas mãos de sempre quem as detinha, uma minoria branca de colonizadores europeus que mantém o Apartheid da pobreza da miseria da ignorancia e da violencia da maioria das varias etnias. Para dar aparencia de que alguma coisa mudou após a queda do Apartheid e a suspenção das sanções economicas, como convinha era preciso mudar a cor do novo regime, uma aristocracia de negros “Pai Joães” domesticados e cevados na corrupção para servir e manter intacto os previlégios interesses da classe branca colonizadora. Nelson Mandela esteve a frente da luta e combate dos negros oprimidos, e quando preso e refém do regime do Apartheid foi o simbolo de resistençia do seu povo. Libertado sob condições por essa minoria branca racista algoz de seu povo, capitulou e se submeteu vergonhosamente. Para que mudasse so as aparencias do regime de exploração da maioria negra, era preciso que mantivesse viva a chama do heroi que até a sua prisão representava a luta pela libertação de seu povo. Hoje o heroi submetido esta morto. Ontem era um terrorista na boca de quem hoje rasga elogios a sua personalidade.

  4. Doralice Silva disse:

    Tenho certeza que a população da Africa do Sul, está muito triste pela morte de Nelson Mandela, um lider que lutou pelas melhorias do povo Africano, e foi preso e perseguido por que queria o bem para o seu povo. No dia 05 de dezembro morre o lider e guerreiro Nelson Mandela, deixando muita saudade para o povo Africano.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *