Início » Internacional » Nicolás Maduro lança a ‘bitcoin venezuelana’
‘EL PETRO’

Nicolás Maduro lança a ‘bitcoin venezuelana’

Lançada neste fim de semana, a moeda virtual venezuelana ‘El Petro’ visa driblar as restrições financeiras geradas pelas sanções dos EUA

Nicolás Maduro lança a ‘bitcoin venezuelana’
‘Chegamos ao século XXI’, disse Maduro ao anunciar a moeda virtual (Foto: Facebook/Los Domingos con Maduro)

A Venezuela vai lançar uma moeda virtual nacional para contornar as restrições geradas pelas sanções financeiras aplicadas ao país pelos Estados Unidos, em agosto deste ano. A “bitcoin venezuelana” foi batizada de “El Petro” e será sustentada pelas reservas de petróleo, gás, ouro e diamantes do país.

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, celebrou o lançamento da moeda em um discurso em seu programa semanal “Los Domingos con Maduro”, transmitido pela televisão estatal venezuelana. “O século XXI chegou! […] Quero anunciar que a Venezuela vai implementar um novo sistema de criptomoeda a partir das reservas de petróleo. A Venezuela vai criar uma criptomoeda, o Petro, para avançar em termos de soberania monetária, para fazer suas transações financeiras e vencer o bloqueio financeiro”, disse Maduro.

O presidente venezuelano afirmou estar combatendo uma conspiração de Washington e acusou os EUA de promoverem uma guerra econômica contra a Venezuela. A proposta de criação da moeda virtual partiu do ministro da Educação Universitária, Ciência e Tecnologia, Hugbel Roa, que ficou encarregado de tocar o projeto.

Apesar de ser uma moeda virtual, o El Petro terá algumas diferenças em relação à bitcoin, a criptomeoda usada mundialmente em transações online. Primeiro, porque será controlada e emitida por um governo; segundo porque estará ligada a um bem físico (as reservas do país).

A oposição reagiu com desdém ao anúncio, lembrando que a criação da moeda precisa ser aprovada pelo Congresso, algo que muitos consideram improvável. “Isso é Maduro sendo um palhaço. Isso não tem credibilidade”, disse o deputado de oposição Angel Alvarado.

O lançamento da moeda expõe como as sanções financeiras aplicadas este ano pelos EUA vêm sufocando a economia venezuelana. Em julho, o governo americano aplicou sanções financeiras a 13 funcionários e ex-funcionários do governo Maduro, por corrupção, repressão de protestos da oposição e apoio ao projeto de Assembleia Constituinte, uma proposta apresentada por Maduro para reformar a Constituição de 1999 vista pela oposição como um golpe contra a democracia, já que ampliou os poderes do presidente.

Os afetados pelas sanções americanas tiveram os bens nos EUA congelados e ficaram impedidos de fazer transações no país, o que dificultou a capacidade do governo Maduro de fazer transferências de valores no exterior. Em agosto, o presidente americano, Donald Trump, foi além e estendeu as sanções à petroleira venezuelana PDVSA.

As sanções proibiram o sistema financeiro dos EUA de realizar transações com títulos da dívida venezuelana e de comprar bônus da PDVSA, minando, assim, uma fonte crucial de recursos do governo Maduro. Na época, o ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, classificou a medida como “a pior agressão contra a Venezuela nos últimos 200 anos”.

Muitos venezuelanos já recorrem à bitcoin para driblar a economia problemática do país. A criptomoeda é utilizada em compras na internet e para obter dólares, cuja compra é rigidamente controlada pelo governo Maduro. Enquanto o uso da bitcoin saltou nos últimos meses, o bolívar, a moeda venezuelana, está em queda livre. O controle cambial e a impressão excessiva de moeda levaram o bolívar a uma desvalorização de 57% somente neste mês no mercado negro, que é amplamente usado no país. Com isso, o salário  mínimo venezuelano afundou para meros US$ 4,30.

Ao que tudo indica, a bitcoin venezuelana não trará muito alívio para os que sofrem com o estrangulamento econômico, a escassez de alimentos e medicamentos no país. O desabastecimento gerado pela crise fez a qualidade de vida da população cair de forma tão severa que produtos triviais, como pasta de dente, se tornaram artigos de luxo, e em janeiro, o caso de um menino que morreu após ingerir plantas venenosas enquanto buscava alimentos em um terreno baldio se tornou símbolo da crise no país.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. André Luiz.'. disse:

    Carlos U Pozzobon
    4 de dezembro de 2017 às 20:17
    Será que existem otários capazes de comprar esta moeda?
    — como já dizia P. T. Barnum, empresário americano do início do século XX:
    “Nasce um otário a cada minuto!”…

  2. Carlos U Pozzobon disse:

    Será que existem otários capazes de comprar esta moeda?

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *