Início » Internacional » Nova onda de ‘superbactérias’ ameaça população mundial
saúde em risco

Nova onda de ‘superbactérias’ ameaça população mundial

Antibióticos estão perdendo a eficácia contra bactérias cada vez mais resistentes

Nova onda de ‘superbactérias’ ameaça população mundial
'Se medidas não forem tomadas, estaremos diante de um cenário não muito diferente do século XIX', diz médico britânico (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Bactérias com potencial para causar graves infecções estão ficando cada vez mais resistentes a antibióticos. Segundo a comunidade médica mundial, a situação representa “uma ameaça catastrófica para a a população e pede ação mundial urgente”.

De acordo com o médico britânico Dame Sally Davies, se duras medidas não forem tomadas para restringir o uso de antibióticos “vamos nos encontrar em um sistema de saúde não muito diferente do início do século 19”.

Enquanto a eficácia dos antibióticos diminui, surgem novas espécies mais resistentes de antigas bactérias, como a Klebsiella, causadora da pneumonia. Bactérias encontradas no intestino, especialmente perigosas para idosos e pessoas frágeis, também estão ganhando resistência aos medicamentos.

Nas décadas seguintes à invenção da penicilina, empresas farmacêuticas desenvolveram uma vasta gama de medicamentos. Porém, desde 1987, não há mais classes de drogas descobertas.

A Associação da Indústria Britânica diz que a preocupação tem fundamento e que “a resistência das bactérias é um problema sério e crescente” para o mundo. Stephen Whitehead, chefe executivo da organização, diz que o problema é grave, mas ressalta que as empresas farmacêuticas estão investindo em pesquisas para solucionar a situação. “Há empresas farmacêuticas ativamente envolvidas em pesquisa e desenvolvimento de novos medicamentos. Mas ainda há muito a ser feito”, diz Whitehead.

Fontes:
The Guardian-New wave of 'superbugs' poses dire threat, says chief medical officer

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

5 Opiniões

  1. Afonso Schroeder disse:

    Nova será??? No Brasil esta super bactéria se apresenta principalmente nos meio político quase que sem meios de ser combatido, Oxalá que Deus de entendimento para busca de um novo antibiótico anti bactérial, mas que atinja o caráter desta classe (política), que tem o dever de aperfeiçoar e dar condições para todas as instituições.

  2. Áureo Ramos de Souza disse:

    Quer dizer que desde 1987 e desde a penicilina o tempo parou (O DIA EM QUE O BRASIL PAROU) e os farmacêuticos tentam descobrir outras formulas e onde está o Butantan? eu no caso tomo antibiótico e com 67 anos já dá um friozinho na barriga! Infelizmente nossos governantes estão ligados na copa das confederações e na copa do mundo e se esquecem da saúde pois com saúde podemos colocar nossos filhos para estudar e segurança para nós. O Povo que se explodam!

  3. helo disse:

    Tuberculose resistente a qualquer medicamento já existe há um bom tempo, pelo uso descontinuado do tratamento. Essas bactérias se tornam imunes, ou parodiando Schroeder, impunes. Bactéria e criminosos se tornam mais fortes e driblam o seu combate. Se Dirceu não tem ligações com sua ex-mulher, e Lula nada tem a ver com Rose, estaremos tratando só sintomas e ignorando as verdadeiras causas.

  4. wandereley f.silva disse:

    Alexandre fleming tropeçou na penicilina.Ele estava adiantado num trabalho sobre estrepoto e estafilococos.Sua auxiliar deixou as placas de Petri destampadas e anulou semanas de observações.
    Ao adentrar o laboratório pescentiu o desastre,mas resolveu olhar as placas mofadas.
    Espantou-se com halos de inibição de estrepto e do valentão estafilococos aureo.
    O que estaria obtendo este efeito? notou que era o fungo mais vulgar que está em toda umidade.
    o penicilio notatum.A aprosimou como pelo do pêssego e notou uma lágrima na ponta de cada pelo.
    Deu o nome de penicilina -fez uma pomadinha e curou um ferimento,mas dava trabalho demais e já havia inúmeros quimioterápicos para aquilo.Publicou na revista the Lancet e jogou na gaveta.
    Havia inscrito o nome dele como criador de uma nova ciência a Antibióticoterapia.
    Curiosos é que um organismo microscópico com um citoplasma que é um laboratório mágico desfia os PHD da SQUIBB -pois logo elaborou a penicilinase e anulou a penicilina.
    Inventaram a benzil-penicilina e o laboratório microscópio logo inventou a benzilpenicilinase e tudo que os maiores laboratórios inventarem será anulado em pouco tempo.

  5. Jorge Christian Rodrigues Cunha disse:

    Gostaria de complementar o comentário do leitor Wanderley. Sou aluno de História, e já sabia que o primeiro antibiótico havia sido descoberto pelo cientista britânico Alexander Fleming (em 1928). Confesso que não conhecia os detalhes descritos pelo leitor. De todo modo, vejamos a situação… As bactérias já existem há um bilhão de anos; foram os primeiros seres vivos a surgir na Terra. Já li em revistas que existem bactérias em ambientes vulcânicos, sobrevivendo a 110º centígrados; e há outras que sobrevivem nas águas do Mar Morto, onde a salinidade é 6 vezes maior que a dos oceanos. Os antibióticos nem completaram 100 anos ainda. Na verdade, esses remédios são apenas mais uma batalha para elas, de uma trajetória muito, muito longa. O alerta das autoridades de saúde deve ser levado a sério. Mesmo com as pesquisas feitas pela indústria farmacêutica não se deve ter ilusões. O desenvolvimento de um medicamento leva muitos anos; é complicado, difícil, demorado, exige muito trabalho e investimento, envolve equipes numerosas, e os resultados são incertos. Há mesmo uma cultura da automedicação, que não ajuda nesse cenário. Há que se lembrar, porém, que a causa mais importante do uso de remédios sem receita médica é muito simples: as pessoas pobres, sem dinheiro para pagar uma consulta, não têm acesso à receita médica, embora tenham acesso a filas. Então, se automedicam. Lógico.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *