Início » Internacional » Israel constrói novas cidades no deserto de Negev
De olho no sul

Israel constrói novas cidades no deserto de Negev

Planejadores israelenses querem levar o desenvolvimento a novas fronteiras

Israel constrói novas cidades no deserto de Negev
Até 2020 Israel planeja aumentar a população de Negev em 50% (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Depois de décadas construindo assentamentos judaicos na Cisjordânia, a qual os palestinos veem como uma possível base para o seu Estado, o governo de Israel pode estar deslocando o seu foco rumo ao sul.

Após uma longa crise, a construção no deserto de Negev, no sul de Israel, está superando não apenas a dos assentamentos na Cisjordânia, mas a da região central de Israel também. A um custo de 6 bilhões de dólares, Israel está transformando as terras até então inúteis nas redondezas de Bersheeba, no limite de Negev, e construindo novas cidades, incluindo uma que é a maior desse tipo de projeto no país. Até 2020 Israel planeja aumentar a população de Negev em 50%, para 1 milhão, quase o dobro do número de assentados hoje na Cisjordânia e em Jerusalém oriental.

No início do mês, o exército persuadiu o primeiro ministro Binyamin Netanyahu a visitar seu maior projeto no Negev, uma nova base de treinamento no deserto ao sul, chamado Kiriyat Hadracha. De uma tenda na areia, com ar condicionado, ele prometeu redirecionar mais recursos na direção do Negev. Seria, disse ele, a Las Vegas israelense. Um obstáculo é que 200 mil árabes, a maioria deles beduínos, também vivem lá.

Fontes:
The Economist-Looking south

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Áureo Ramos de Souza disse:

    SE ELES VIVEM NO DESERTO, DE ONDE VEM A ÁGUA? E AQUI NO BRASIL NEM TRANSPOSIÇÃO DO RIO QUE TEM ÁGUA EM ABUNDANCIA NÃO É FEITA PARA O BEM DOS SERTANEJOS QUE MORREM NA SECA

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *