Início » Internacional » Novo Kennedy pode renovar o poder político da família
EUA

Novo Kennedy pode renovar o poder político da família

Joseph P. Kennedy III anunciou candidatura à Câmara de Massachusetts e entusiasma eleitores e políticos veteranos

Novo Kennedy pode renovar o poder político da família
Joseph P. Kennedy III tem apenas 31 anos (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Por mais de meio século, a família Kennedy foi uma força na política norte-americana. O domínio começou com o presidente John F. Kennedy em 1960 e durou até a morte do senador Edward Kennedy em 2009.

O retorno da família ao cenário político não é iminente, mas pode não demorar muito. Um candidato a um assento na Câmara de Massachusetts é Joseph P. Kennedy III, o neto de Robert F. Kennedy e sobrinho-neto do senador e do presidente.

Leia também: Mary Kennedy é encontrada morta em Nova York

Joseph, de apenas 31 anos, tem sido comparado com o jovem John F. Kennedy e especialmente com Edward Kennedy, ambos entraram para a política pouco depois de seus 30º aniversários.

Políticos relevantes e observadores dizem que Joseph Kennedy tem um talento natural, assim como seus ilustres parentes. “Eu estou na política há muito tempo e só ocasionalmente você encontra alguém com habilidades especiais e capacidades genuínas”, diz o ex-senador democrata Christopher Dodd.

Apesar destas credenciais, Joseph Kennedy mantém um discurso contido: “Sou extremamente orgulhoso do serviço da minha família pelo país. Isso gera uma curiosidade pela minha candidatura, mas tenho que conquistá-la”, disse ele em uma entrevista em Milford.

No entanto, a participação política da família no país tem sido limitada. O pai do candidato, Joseph P. Kennedy II, que chegou a integrar o Congresso, não conseguiu a mesma ascensão que os famosos membros da família.

Joseph P. Kennedy III é o primeiro desde então a se candidatar. Ele se formou em na Universidade de Stanford em engenharia, passou dois anos como voluntário do Corpo de Paz na República Dominicana. Formou-se em Direito pela Harvard Law School realizou assessoramento jurídico em bairros pobres de Boston e depois trabalhou como promotor em dois escritórios de advogados.

Em 2006, com seu irmão gêmeo, Matt (atualmente trabalhando no Departamento de Comércio dos EUA), ele auxiliou seu tio-avô na campanha de reeleição do Senado. Isso não foi difícil, Edward Kennedy ganhou quase 70% dos votos.

Joseph Kennedy diz que a candidatura faz parte de uma revolução que começou na mesa de jantar com a família, impulsionado pelo desejo de mudança e ele tem agido para isso. Em apenas alguns meses, participou de 100 eventos nos bairros, muitas vezes trabalhando sete dias por semana: “Ninguém vai dizer que não trabalhei para isso”, afirmou.

Apoio dos eleitores

Joseph Kennedy se comunica com a multidão com facilidade e os eleitores não escondem o entusiasmo com o candidato: “Conheço a família Kennedy, eu sei que ele irá fazer algo por nós no Congresso, os Kennedys ouvem a classe média”, diz Elaine Nigro, uma professora aposentada. Marie Romagnoli diz simplesmente: “Ele não pode dar errado sendo um Kennedy”.

A maioria das propostas e agenda do candidato ainda está em formação, mas previsivelmente devem abordar clichês dos democratas progressistas, como a criação de empregos, ajuda às empresas de pequeno porte, uma abordagem fiscal equilibrada que inclui cortes de gastos e aumento de impostos e um código fiscal que garanta que todos os norte-americanos irão contribuir.

Joseph Kennedy arrecadou US$ 1,3 milhão para campanha no primeiro trimestre, impulsionado pelos arrecadadores de fundos motivados pelos seus famosos parentes. Os republicanos, por sua vez, estão focados em manter o senador titular, Scott Brown, e talvez ganhar a cadeira no Congresso do deputado democrata John Tierney.

Este é um enredo conhecido de veteranos que se lembram de eventos há 50 anos, quando um advogado que concorria com o jovem Edward Kennedy afirmou: “Se o seu nome fosse Edward Moore sua candidatura seria uma piada. Mas é Edward Moore Kennedy”.

A brincadeira não impediu que Edward Kennedy ganhasse facilmente a eleição e atuasse 47 anos no Senado como um dos mais influentes parlamentares de sua época.

Fontes:
Bloomberg - This Kennedy May Renew the Family Franchise

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. áureo Ramos de souza disse:

    Se eu fosse americano e soubesse como é as eleições lá, daria de imediato meu voto pois John Kennedy foi exemplo para o mundo e que até hoje ainda é noticia. Se dizem Elvis não morreu Kennedy não morreu

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *