Início » Gráfico » Número de pedidos de asilo em países ricos é o maior em 20 anos
imigração na Europa

Número de pedidos de asilo em países ricos é o maior em 20 anos

Em 2014, foram emitidos cerca de 866 mil pedidos, 45% a mais do que em 2013. Dois terços dos pedidos foram feitos a países da União Europeia

Número de pedidos de asilo em países ricos é o maior em 20 anos
O sul da Europa, em particular, registrou um aumento acentuado, com pedidos de asilo na Itália dobrando para 157 mil (Divulgação/Guardia Costiera)

Em 2014, o número de pedidos de asilo em países ricos atingiu seu maior nível em 20 anos, segundo dados da UNHCR, agência da ONU para refugiados.

No total, foram emitidos cerca de 866 mil pedidos, 45% a mais do que em 2013. Dois terços dos pedidos foram feitos a países da União Europeia (UE). O sul da Europa, em particular, registrou um aumento acentuado, com  pedidos de asilo na Itália dobrando para 157 mil e mais imigrantes se arriscando a cruzar o Mediterrâneo para chegar ao país.

A última vez que países ricos registraram um aumento similar no número de pedidos de asilo foi em 1992, no início do conflito da Bósnia-Herzegovina. No cenário atual, jihadistas na Síria e no Iraque deslocaram milhões de pessoas, embora apenas uma pequena parte delas consiga chegar até a Europa.

Desrespeito aos direitos humanos na Eriteia obrigam os moradores locais a buscar refúgio no Sudão e na Líbia, para depois tentar chegar à Europa pelo Mediterrâneo. O pessimismo e a estagnação econômica na região dos Bálcãs também contribuíram para o aumento da imigração, levando milhares de pessoas para o norte da Europa. Além disso, o número de pedidos de asilo feito por ucranianos a países da UE saltou de 1.400, em 2013, para 15.700, em 2014.

Aqueles que conseguem pedir asilo a países ricos representam uma pequena minoria de sorte. No ano de 2013, cerca de 50 milhões de pessoas foram forçadas a se deslocar. Desse total, 17 milhões eram refugiados e apenas 1.200 mil eram pessoas em busca de asilo.

20150328_gdc678

Gráfico da Economist feito com base nos dados da UNHCR (Divulgação/Economist)

Fontes:
The Economist-Fleeing to safety

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *