Início » Internacional » O ano de 2014 foi o mais progressivo da Igreja Católica
Efeito Francisco

O ano de 2014 foi o mais progressivo da Igreja Católica

Sob o comando do Papa Francisco, o Vaticano adotou uma abordagem mais liberal sobre temas que afastam os fieis do catolicismo

O ano de 2014 foi o mais progressivo da Igreja Católica
Francisco tornou a aproximar os fiéis do catolicismo (Reprodução/AP)

Em 2014, a Igreja Católica passou por uma verdadeira revolução. Sob o comando do Papa Francisco, o Vaticano adotou um discurso diferente sobre questões que vêm fazendo a igreja perder fiéis, especialmente entre os jovens.

Leia mais: ‘Quem sou eu para julgá-los?’: Francisco redefine o papado
Leia mais: Papa Francisco reconhece problema da pedofilia na Igreja Católica
Leia mais: Papa substitui cardeal brasileiro e mais três do Banco do Vaticano

Exemplo disso é a forma como o Papa aborda a homossexualidade. Durante séculos, a igreja tratou a questão como um “distúrbio” do ser humano. O Papa, no entanto, adotou um tom mais liberal sobre o assunto. Questionado sobre a relação da igreja com os gays em uma coletiva de imprensa, o papa soltou a famosa frase “Quem sou eu para julgá-los?”.

Consciente de que a politização da religião afasta os fiéis, o Papa pediu aos bispos americanos que deixassem de lado a luta contra o casamento gay e o aborto e focassem em combater a desigualdade, que, segundo ele, é “a raiz dos males sociais”.

Francisco também acabou com a “carta branca” para crimes de abuso de poder e sexuais praticados por membros do clérigo. O bispo alemão Franz-Peter Tebartz-van Elst, por exemplo, foi afastado do cargo por tempo indeterminado, acusado pelo Vaticano de esbanjar verba da igreja com luxo.

O Papa também ordenou uma intensa investigação no banco do Vaticano para desarticular um esquema de lavagem de dinheiro no órgão. Com isso, Francisco aumentou a transparência dentro das instituições da Santa Sé.

Assim como o Papa João Paulo II, Francisco não mudou nenhum dogma católico. O que ele fez foi adotar um tom mais misericordioso acerca de temas que afetam a sociedade. Para a irmã Camille D’Arienzo, ex-presidente da liga de mulheres religiosas dos EUA, o “efeito Francisco” ajuda a reaproximar a igreja dos fiéis. “Ficou mais fácil convencer meus amigos católicos de que não apenas há um Deus misericordioso, como também há uma igreja misericordiosa”, disse Camille, em entrevista à uma rádio de Nova York.

Fontes:
Quartz-2014 was the most progressive year for the Catholic Church

3 Opiniões

  1. Mark disse:

    Viva ao papa Francisco!

  2. Mark disse:

    A cala boca ney, como podes imaginar isto sua criatura ignorante

  3. ney disse:

    Sem falar nos acordos secretos que ele vem fazendo com os governos do mundo, para a volta da inquisição.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *