Início » Internacional » O erro de Angela Merkel ao prometer banir os véus
CONTRADIÇÃO DE VALORES

O erro de Angela Merkel ao prometer banir os véus

A chanceler da Alemanha aumentou a polêmica em torno do uso de trajes islâmicos na Europa com a sugestão de proibição parcial da burca e do niqab

O erro de Angela Merkel ao prometer banir os véus
Há uma contradição entre os valores liberais defendidos por Angela Merkel e a proibição dos véus (Foto: Wikimedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A chanceler alemã Angela Merkel é uma das últimas defensoras da ordem liberal no Ocidente ameaçada pela tendência populista. É provável que seja eleita para seu quarto mandato no segundo semestre de 2017, mas enfrenta o desafio do partido Alternativa para a Alemanha (AfD), que se opõe à imigração. Portanto, a chanceler Merkel precisa dar um novo estímulo ao seu partido de centro-direita, a União Democrata-Cristã (CDU), desiludido com a “cultura de boas-vindas” aos refugiados promovida por seu governo.

Em um discurso para os delegados do partido em 6 de dezembro, Merkel prometeu que os acontecimentos de 2015, quando 890 mil refugiados pediram asilo à Alemanha “não se repetiriam”. A chanceler elogiou os valores europeus de igualdade sexual e tolerância religiosa de seu governo. E, em um trecho longamente aplaudido, acrescentou que “a burca e o niqab são obstáculos à integração racial no país e devem ser proibidos desde que em um contexto legal”.

Há uma contradição entre os valores liberais defendidos por Angela Merkel e a proibição dos véus que cobrem o corpo todo, ou o rosto e o pescoço usados pelas mulheres muçulmanas. O uso da burca e do niqab é visto por alguns muçulmanos como um dever religioso das mulheres quando se exibem em público. A proibição viola o direito de liberdade religiosa. A medida também tem obstáculos legais, é polarizante e alimenta os discursos xenófobos dos populistas.

Mas Merkel não mencionou situações específicas em que o véu não poderia ser usado. Ela propôs proibi-lo como um meio para evitar o desenvolvimento de “sociedades paralelas” no momento em que a Alemanha tenta integrar os imigrantes muçulmanos. Mas a proibição de trajes islâmicos usados por uma parcela mínima desses imigrantes só dificultará essa integração.Assim como muitos outros direitos, a liberdade religiosa não é um princípio absoluto. Às vezes os governos têm bons motivos para pedir que as pessoas mostrem seus rostos: nos controles de passaportes, por exemplo, ou se trabalham como assistentes sociais e professores. Por razões de segurança, a Alemanha proibiu o uso de máscaras de esqui e de acessórios que cobrem o rosto em manifestações públicas.

Algumas pessoas argumentam que o niqab, assim como a burca, é uma forma de opressão. As mulheres muçulmanas, dizem, são obrigadas a usar o véu por seus parentes, em geral maridos, pais e irmãos. Talvez seja verdade em alguns casos. No entanto, a proibição só evitaria que essas mulheres saíssem de casa. Outras mulheres podem cobrir o cabelo ou o rosto por motivos religiosos, porque não gostam dos olhares provocativos dos homens, ou porque querem afirmar sua identidade muçulmana. Os países preocupados com a sujeição das mulheres muçulmanas aos costumes de sua religião deveriam concentrar seus esforços em projetos de assimilação cultural e educação.

Os políticos de centro-direita como Angela Merkel estão enganados ao pensarem que a proibição da burca ou do niqab irá conter o avanço dos populistas. Os que querem proibir os véus não estão preocupados com a segurança do país, e sim com a imigração e a integração das minorias raciais. Alguns se preocupam, com razão, com o fato de os imigrantes muçulmanos não compartilharem os valores liberais da Europa. Mas não será com a proibição de trajes islâmicos que esses valores serão assimilados.

Fontes:
The Economist-Angela Merkel’s promise to ban the niqab is a mistake

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. ?LUIZ disse:

    É LÓGICO A PROIBIÇÃO, NOS PAÍSES MUÇULMANOS SE VC ANDAR COM UM CRUCIFIXO NO PESCOÇO VC É MORTO, OS CRISTÃOS NÃO PODEM CONSTRUIR IGREJAS EM PAÍSES MUÇULMANOS, OS CRISTÃOS NÃO PODEM PROFESSAR SUA FÉ EM PAÍSES MUÇULMANOS, AGORA, PORQUE EM PAÍSES CRISTÃOS ELES, OS MUÇULMANOS FAZEM O QUE QUEREM, E SE FOR UM TERRORISTA USANDO AQUILES TRAJES DAS MULHERES E COLOCAR BOMBAS. SE ELES QUEREM VIVER EM PAÍSES QUE NÃO SEJA MUÇULMANOS TEM QUE SEGUIR AS REGRAS E LEIS DESTES PAÍSES, E NÃO QUERER IMPOR AS LEIS DELES, OU SEJA A DO CORÃO. NÃO TEM NADA QUE RECEBER REFUGIADOS AOS MONTES, SEM SABER QUEM É QUEM. QUEREM VIVER AQUI, SEGUEM AS LEIS DAQUI, DO CONTRÁRIO VOLTEM PARA SEUS PAÍSES DE ORIGEM.
    DIREITOS HUMANOS E OS POLITICAMENTE CORRETOS QUE SE DANEM, QUERO VER QUANDO COMEÇAREM A TOMAR TIRO NA CARA COMO ACONTECEU NA FRANÇA, AI SERÁ MUITO TARDE. FORA AOS IMIGRANTES.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *