Início » Economia » O problema do desemprego na Europa
Internacional

O problema do desemprego na Europa

Por que a taxa de desemprego de longo prazo na zona do euro é tão alta

O problema do desemprego na Europa
Com o crescimento da força de trabalho as taxas de desemprego aumentaram (Foto: Flickr)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Os últimos indicadores da taxa de desemprego na zona do euro divulgados em 31 de julho são um pouco mais otimistas. Eles mostram que a taxa de desemprego global diminuiu de 12,1% em abril de 2013 para 11,1%. Apesar das boas notícias, o problema do desemprego de longo prazo (ou seja, não ter emprego há mais de 12 meses) é uma realidade entre os 19 países da zona do euro. Dos 19 milhões de europeus desempregados, mais da metade não trabalhou no ano passado. E mais de 15% de desempregados não têm emprego há mais de quatro anos. Como previsível, o problema é mais grave no sul da Europa onde uma crise prolongada aumentou não só a taxa de desemprego, como também os longos períodos em que as pessoas não conseguem trabalho.

Mas, por sua vez, o número de pessoas desempregadas durante longos períodos nos Estados Unidos diminuiu quando a economia se recuperou; agora, a taxa de desemprego de longo prazo está um pouco acima de 20% do total. Então, por que é tão difícil para os europeus retornarem ao mercado de trabalho?

Uma das razões é a mobilidade da força de trabalho. Quase 30% dos americanos moram em estados diferentes de onde nasceram. Porém só 2,8% dos europeus mudaram para um país diferente dentro da União Europeia (UE). As barreiras linguísticas, as diferenças culturais e qualificações não transferíveis dificultam ainda mais a migração para outros países.

Os benefícios generosos oferecidos às pessoas desempregadas na Europa também dificultam a mobilidade geográfica, além de não exercerem pressão para que as pessoas procurem trabalho com mais urgência. Na maioria dos estados dos EUA os trabalhadores desempregados só recebem seguro-desemprego durante 26 semanas (embora tenha havido um aumento de 2008 a 2013). Em muitos países da zona do euro os desempregados recebem seguro-desemprego por mais de um ano.

A rotatividade de pessoal maior nos EUA do que na Europa é outro fator responsável pela divergência entre as taxas de desemprego de longo prazo. Segundo a Organização Internacional do Trabalho, um órgão da ONU, entre 2008 e 2012 a probabilidade de mudar de emprego no mês seguinte era de cerca de 7% para os europeus e 12% para os americanos. Além disso, as chances de perder o emprego no próximo mês eram de 0,8% e 1%, respectivamente. A rotatividade mais rápida significa que o trabalho disponível dissemina-se entre a população e, em consequência, estimula a qualificação profissional e cria um clima de otimismo.

No entanto, nem tudo são más notícias para a zona do euro. Uma das causas de divergência das taxas de desemprego, na verdade, é um sintoma de um mercado de trabalho mais saudável na Europa. Em parte, o desemprego está diminuindo nos EUA pelo fato de que muito trabalhadores desestimulados desistiram de competir no mercado de trabalho. Na Europa a situação é inversa. Com o crescimento da força de trabalho as taxas de desemprego aumentaram.

Fontes:
The Economist - Why long-term unemployment in the euro area is so high

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *