Início » Cultura » O telegrama que ajudou a levar Hitler ao suicídio
História

O telegrama que ajudou a levar Hitler ao suicídio

A história de como um telegrama do imediato de Hitler, Hermann Goering, e o avanço das tropas aliadas levaram o Führer ao suicídio

O telegrama que ajudou a levar Hitler ao suicídio
Hitler e Goering em 1938, em Berlim. Goering era o imediato e o homem de confiança do Führer (Foto: Wikimedia)

É tido como um dos documentos cruciais de um dos principais momentos da história da Segunda Guerra Mundial. Um valioso telegrama do número dois na hierarquia nazista, Hermann Goering, para ninguém menos que o próprio Adolf Hitler.

A mensagem foi uma das motivações, junto do avanço das tropas aliadas, para Hitler ingerir cianeto e atirar em si mesmo dentro de seu bunker subterrâneo, em Berlim. Apesar de sua importância, o documento ficou em um cofre na Carolina do Sul, EUA, durante mais de uma década, até um estudante universitário basear sua tese nele.

Na semana passada, o itinerante e, agora, infame telegrama foi vendido por US$ 55 mil em um leilão.

Como o telegrama mudou a história

Essa é a história de como um texto nazista, que mudou o curso da guerra, caiu no esquecimento graças à ignorância de um oficial americano em relação à língua alemã.

O dia era 23 de abril de 1945, quase um ano depois das tropas americanas invadirem a Normandia. Os soldados dos Estados Unidos cruzaram o rio Reno no início de março, mas eram os soviéticos que preocupavam Hitler e seus principais assessores.

Goering foi piloto de caça durante a Primeira Guerra Mundial, ajudou Hitler a assumir o poder, em 1933, e ficou ao lado do Führer durante a expansão do Terceiro Reich. Ele era tão próximo do líder nazista que o desejo do próprio Führer era que Goering assumisse caso ele fosse capturado ou morto.

Enquanto a guerra avançava, Hitler perdeu a confiança em seu imediato. E, quando os soviéticos chegaram a duas quadras de distância do bunker de Hitler, Goering desapareceu. Ele estava escondido ao sul dos Alpes bávaros. De lá, ele mandou o telegrama.

Confira o telegrama na íntegra:

Meu Führer,

General Koller me informou hoje, com base em recomendações dadas pelo coronel-general Jodl e pelo General Christian, que você repassou certas decisões enfatizando que, caso sejam necessárias negociações, eu estaria em  uma posição melhor que você em Berlim. Essa visão foi tão surpreendente e séria para mim que me senti obrigado a assumir, no caso de até às 22h não receber a informação de que você perdeu sua liberdade. Vou, então, assumir as condições de seu decreto e agir para o bem estar da Nação e da Pátria. Você sabe o que eu sinto por você, nesse momento mais difícil da minha vida e não posso expressar em palavras. Que Deus te proteja e permita que você, apesar de tudo, venha aqui o mais rápido possível.

Seu fiel Hermann Goering

Hitler entrega os pontos

De acordo com a autobiografia de Albert Speer, pessoas próximas ao Führer usaram esse telegrama para poluir a já frágil mente do líder e colocá-lo contra Goering. Hitler ficou furioso, mas sua raiva logo se tornou depressão.

“Hitler tinha chegado ao fim de suas forças. Ele voltou ao tom cansado que tinha dominado ele mais cedo aquele dia. Durante anos ele se sobrecarregou; durante anos, reunindo sua vontade sem moderação, ele tinha empurrado para longe de si mesmo e dos outros a crescente certeza deste final. Agora ele já não tinha a energia para esconder sua condição. Ele estava desistindo”, escreveu Speer.

Uma semana depois, Hitler e sua companheira, Eva Braun, se mataram.

Fontes:
Washington Post-How the Nazi telegram that helped drive Hitler to suicide was nearly forgotten in a S.C. safe

2 Opiniões

  1. Carlos Furtado disse:

    Já foi tarde demais ,ele tinha que morrer nos vários atentados anteriores.
    O que um maluco é capaz de fazer com toda uma nação.,quando idolatra um governante uma religião uma seita .

  2. Vitafer disse:

    Será verdade?

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *