Início » Vida » Comportamento » OMS retira a homossexualidade da lista de doenças mentais
NESTA DATA

OMS retira a homossexualidade da lista de doenças mentais

Em 17 de maio de 1990, a Assembleia Geral da OMS deixou de classificar a homossexualidade como doença mental

OMS retira a homossexualidade da lista de doenças mentais
A data é considerada um marco e se comemora o Dia Internacional contra a Homofobia (Foto: ABr)

Em 17 de maio de 1990, a Organização Mundial da Saúde (OMS) retirou a homossexualidade da sua lista internacional de doenças mentais em uma Assembleia Geral. Até então, a homossexualidade era tratada como doença e em alguns países, existia “tratamento”. A data é considerada um marco e se comemora o Dia Internacional contra a Homofobia.

A ideia de que a homossexualidade fosse um tipo de transtorno mental iniciou em 1886, quando o sexólogo Richard von Krafft-Ebing a listou em seu livro Psychopathia Sexualis. Para Krafft-Ebing, homossexualidade era provocada por uma “inversão congênita”, adquirida no nascimento ou no decorrer da vida.

A ideia ganhou força na comunidade psiquiátrica e em 1952, a Associação Americana de Psiquiatria classificou a homossexualidade como “desordem” em seu primeiro Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtorno Mentais. Desse modo, a homossexualidade passou a ser estudada por cientistas que buscavam a comprovação dessa teoria.

No entanto, a falta de provas fez com que a própria Associação Americana de Psiquiatria retirasse essa classificação em 1975. Apesar da ação, a OMS incluiu a homossexualidade na Classificação Internacional de Doenças de 1977 (CID) como uma doença mental.

Em 1990, a OMS fez uma revisão das doenças em uma Assembleia Geral e retirou a classificação, além de retirar a nomeação de “homossexualismo” – o prefixo “ismo” na medicina indica doença. Apesar da resolução, cada país trata o tema da sua própria maneira. O Conselho Federal de Psicologia do Brasil, por exemplo, deixou de tratar a opção sexual como doença em 1985.

Fontes:
Terra-Homossexualidade não é doença segundo a OMS; entenda

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

7 Opiniões

  1. Jane Doe disse:

    Fila Torino, querida, faça uma pesquisa melhor, porque temos vários animais que tem relação homossexual. Um deles é o pinguim, em que ovos que são abandonados (porque quando pinguins tem dois ovos, eles sempre abandonam um desses), esse casal homossexual adota esse ovo e o cria.

  2. laercio disse:

    Tudo nessa vida é uma moderna equação que não tem razão como resultado! mas sim o que poucos podem ganhar! tudo em nome do dinheiro, é assim que funciona!
    Vejam o exemplo: bilhões de animais são mortos nos campos de concentração o qual chamamos de abatedouros…mas na verdade estão ocorrendo crimes horríveis! dai aparece o marketing diz que é saudável e está tudo acertado.

    As drogas legais matam mas são chamadas de entretenimento…novamente a grana…

    o lucro é o que manda! a relação oferta e demanda que culmina em lucro será a grande vencedora! sem estudo científico, sem discussão, sem qualquer base.

    Se de alguma forma, no futuro, o homossexualismo trouxer prejuízo a quem lucra, certamente haverá alguém bem influente para falar que o assunto é uma doença!

    Não concentramos nossos recursos para definir resultados quanto a questão homossexual bem como outras.

  3. natasha disse:

    Na realidade, é possível observar, sim, na natureza, grande quantidade de animais manterem relações homossexuais. Não creio que qualquer um de vocês tenha realizado algum estudo profundo o suficiente pra afirmar que a homossexualidade se trata de um distúrbio com tanta convicção. Isso tem nome: preconceito.

  4. Fila Torino disse:

    pra mim continua doença meltal . como pode homem com homem e mulher com mulher namorarem se fosse normal veriamos os outros animais fAzendo o mesmo não acham??

  5. Edy Fila disse:

    pra mim continua disturbio.

  6. Rogerio Faria disse:

    Os psicopatas do congresso brasileiro são uma ameaça maior.

  7. valdemar disse:

    é sempre uma boa discussão, importante de termos!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *