Início » Internacional » ONU liga Coreia do Norte às armas químicas na Síria
INTERNACIONAL

ONU liga Coreia do Norte às armas químicas na Síria

Os materiais enviados pela Coreia do Norte poderiam ser utilizados tanto para fins militares quanto para fins civis

ONU liga Coreia do Norte às armas químicas na Síria
Estabelecer as origens das armas químicas tem sido difícil (Foto: Twitter/@UOLNoticias)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Segundo especialistas da Organização das Nações Unidas (ONU), a Coreia do Norte vem mandando suprimentos para o governo sírio, e este material poderia ser usado na produção de armas químicas.

Os Estados Unidos e outros países acusam o governo sírio de usar armas químicas em civis, incluindo um recente ataque em Ghouta Oriental que parece ter sido feito com gás clorino.

Os materiais vindos da Coreia do Norte incluem: telhas resistentes a ácido, válvulas e termômetros, segundo um relatório de investigadores das Nações Unidas. Técnicos de mísseis da Coreia do Norte também foram vistos trabalhando em armas químicas conhecidas e numa instalação de mísseis dentro da Síria, segundo o relatório, que foi escrito por um painel de especialistas.

O relatório destaca o potencial perigo de uma troca entre Síria e Coreia do Norte, o que pode permitir que a Síria mantenha suas armas químicas, enquanto fornece dinheiro à Coreia do Norte por seu programa nuclear e de mísseis.

Os possíveis componentes de armas químicas foram parte de pelo menos 40 remessas não reportadas da Coreia do Norte para a Síria entre 2012 e 2017. As peças e materiais de mísseis balísticos proibidos poderiam ser utilizados tanto para fins militares como civis, de acordo com o relatório, que não foi divulgado publicamente, mas que foi revisado pelo The New York Times.

Os oito especialistas que fazem parte do painel são de países diferentes e têm conhecimentos específicos em áreas como armas de destruição em massa e transporte marítimo. Desde 2010, o painel tem um mandato do Conselho de Segurança da ONU para investigar possíveis violações de sanções da Coreia do Norte. Eles apresentam seus achados em um relatório anual.

Especialistas que viram o relatório dizem que a evidência citada não prova que há colaboração atual entre a Coreia do Norte a Síria em armas químicas.

Desde o início da guerra na Síria em 2011, há suspeitas de que a Coreia do Norte estava fornecendo equipamento e conhecimento para manter o programa de armas químicas do presidente da Síria, Bashar al-Assad.

O relatório dá detalhes sobre a relação militar entre Coreia do Norte e Síria que existe há décadas. Durante as guerras árabe-israelenses nos anos 1960 e 1970, pilotos norte-coreanos voaram com a Força Aérea da Síria. Mais tarde, técnicos da Coreia do Norte ajudaram a desenvolver o arsenal de mísseis balísticos da Síria e a construir uma usina de energia nuclear capaz de produzir plutônio, que pode ser usado para fabricar armas nucleares. Israel destruiu a fábrica em 2007.

Em 2013, depois que o governo Obama ameaçou uma ação militar em resposta ao ataque de gás sarin em Ghouta, Assad concordou em destruiu seu estoque de arma química e se juntou à Convenção de Armas Químicas, na qual 192 países concordaram em desmantelar seus programas de armas químicas. Mas autoridades ocidentais e especialistas de não-proliferação suspeitam que Assad ficou com algumas armas químicas.

Neste ano, segundo diplomatas e testemunhas, vários ataques com gás clorino ocorreram em áreas tomadas por rebeldes em Ghouta, Idlib e Afrin. Outro painel das Nações Unidas também disse que as forças de Assad eram responsáveis por um ataque com gás clorino no vilarejo de Khan Sheikhoun em abril do ano passado que matou pelo menos 83 pessoas e deixou outras 300 doentes.

Estabelecer as origens das armas químicas tem sido difícil. Em novembro, a Rússia usou seu veto no Conselho de Segurança para acabar com um trabalho de um painel independente para investigar armas químicas usadas no conflito sírio. O painel tinha revelado que tanto o governo sírio quanto os militantes do Estado Islâmico usaram armas químicas na guerra. O embaixador da Rússia nas Nações Unidas rotulou o painel como uma “piada”.

Fontes:
The New York Times-U.N. Links North Korea to Syria’s Chemical Weapon Program

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *