Início » Internacional » ONU pede fim de politização de ajuda humanitária na Venezuela
CRISE HUMANITÁRIA

ONU pede fim de politização de ajuda humanitária na Venezuela

Para ONU, a politização da ajuda humanitária é o maior empecilho para que o país consiga sair da crise humanitária na qual se encontra

ONU pede fim de politização de ajuda humanitária na Venezuela
Ao todo, 3,4 milhões de pessoas já deixaram a Venezuela devido à crise (Foto: Isac Nóbrega/PR)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Um novo relatório da Organização das Nações Unidas (ONU), obtido pelo New York Times, instou os líderes da Venezuela, Nicolás Maduro e Juan Guaidó, a pararem de politizar a ajuda humanitária. Segundo a ONU, a politização da ajuda humanitária é o maior empecilho para que o país consiga sair da crise humanitária na qual se encontra.

De acordo com o documento, que conta com 45 páginas e não atribui culpa específica, medidas tomadas por Maduro, como o bloqueio das fronteiras para impedir a entrada de ajuda humanitária, agravaram a crise.

Por outro lado, sanções impostas pelos Estados Unidos e por outros países, em apoio ao autoproclamado presidente Guaidó e contra o governo Maduro, também prejudicaram a Venezuela. Guaidó, que é presidente da Assembleia Nacional, também teria usado a tentativa de ajuda humanitária para tentar se sobrepor ao governo Maduro.

“A politização da assistência humanitária no contexto da crise dificulta a prestação de assistência de acordo com os princípios de neutralidade, imparcialidade e independência”, destaca o relatório. Segundo dados da ONU, 94% dos venezuelanos vivem, atualmente, na pobreza, enquanto 7 milhões precisam de ajuda humanitária. Ao todo, o país conta com uma população de 32 milhões de pessoas.

A Venezuela atravessa uma longa crise política, econômica e humanitária, que se agravou com a reeleição de Maduro – a oposição afirma que o processo não foi democrático. As dificuldades enfrentadas pelo país já levaram ao êxodo 3,4 milhões de pessoas, que migraram para países vizinhos, como Brasil e Colômbia. De acordo com o relatório, mais 1,9 milhão de pessoas devem deixar a Venezuela esse ano.

Devido a isso, os crimes e doenças seguem crescendo na Venezuela. Doenças vistas como evitáveis, como tuberculose, difteria e sarampo, voltaram a fazer vítimas no país. Paralelo a isso, 22 mil profissionais de saúde emigraram, o equivalente a um terço da força total de trabalho da área. Já em relação à doenças crônicas, como a diabetes, aproximadamente 4 milhões de pessoas estão mais vulneráveis, sem acesso a medicamentos e tratamentos.

O país também vê crescer o abismo na educação. Cerca de 1 milhão de crianças em idade escolar não tem recebido educação, enquanto outros 48% de crianças e adolescentes, que estão matriculados, podem deixar a escola.

“A violência aumentou dentro das famílias, escolas, instituições e comunidades, particularmente em algumas áreas fronteiriças e urbanas, onde grupos armados e organizações criminosas comuns estão presentes”, revelou o relatório.

Por fim, o documento aponta a ONU como um possível árbitro neutro para ajudar a solucionar a crise na Venezuela, que parece longe do fim. Isso porque, Estados-membros da entidade não parecem estar tão dispostos a ajudarem financeiramente. Em novembro do ano passado, a ONU solicitou US$ 109 milhões para assistência humanitária na Venezuela, mas recebeu apenas US$ 50 milhões.

Leia também: Aviões com soldados russos chegam à Venezuela

Leia também: Venezuela atinge estágio de deterioração total

Fontes:
The New York Times-U.N. Appeals to Maduro and Guaidó to End Battle Over Humanitarian Aid

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *