Início » Internacional » ONU retirará tropas brasileiras do Haiti nas próximas semanas
MISSÃO DE PAZ

ONU retirará tropas brasileiras do Haiti nas próximas semanas

Comandante da missão de paz diz que o Haiti está pronto para 'perder a tutela' da ONU, mas admite que o país 'nunca estará 100%'

ONU retirará tropas brasileiras do Haiti nas próximas semanas
A Minustah dará lugar a Minujusth, que enviará um contingente de cerca de 1.200 policiais e civis para continuar o treinamento da polícia local e reforçar o sistema judiciário do país (Foto: Igor Rugwiza – UN/MINUSTAH)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

As tropas militares brasileiras que coordenam a Minustah (Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti) devem encerrar a operação de paz nas próximas duas semanas. Oficialmente, a missão termina em 15 de outubro, mas cerca de 950 militares devem voltar ao Brasil já nesta quinta-feira, 31.

O comandante da missão de paz no Haiti, o general brasileiro Ajax Porto Pinheiro, afirma que o país conseguiu se manter mais estável durante o período em que a ONU esteve lá e que chegou a hora de “perder a tutela”. Entretanto, o general admite que o país “nunca estará 100%” e afirma que para isso talvez fosse necessário que a missão durasse “mais duas décadas”.

“O Haiti é como um avião pequeno preparado para voar, e a ONU agora diz: ‘ensinei vocês a pilotarem, está aqui o avião. Eu vou sair. Este avião pode decolar ou pode taxiar, ir para direita e ser desmontando’”, disse o general Pinheiro.

Os militares brasileiros afirmam que as tropas são necessárias quando há instabilidade institucional e é preciso lançar mão do componente militar para que as instituições funcionem. Para eles, esse não é mais o caso do Haiti, que agora precisa de segurança pública.

Com isso, a Minustah será substituída pela Minujusth (Missão das Nações Unidas para o Apoio à Justiça no Haiti), uma missão menor, sem componente militar, e que enviará um contingente de cerca de 1.200 policiais e civis para continuar o treinamento da polícia local e reforçar o sistema judiciário do país.

O general Pinheiro destaca que a chegada das tropas da ONU trouxe mais estabilidade política ao país, mencionando que, nos 18 anos anteriores à Minustah, o Haiti teve 15 presidentes, enquanto nos 13 anos de missão, o país teve três presidentes eleitos pelo voto direto e um pelo Parlamento.

No país desde 2004, o Brasil enviou ao todo 37.500 militares ao Haiti. “Nós só mandamos mais tropas para o exterior em missão real na Guerra de Tríplice Aliança [Guerra do Paraguai, 1864-1870]”, afirmou o general Pinheiro, que destaca o feito como um importante capítulo da história militar brasileira.

Temor de violência

Um dos maiores temores dos haitianos é de uma possível queda na segurança do país após a saída das tropas da ONU. Nos últimos meses, o país registrou uma leve alta nos índices de violência e os haitianos acreditam que o cenário pode piorar nos próximos meses.

Um relatório da missão de paz apresentado pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, ao Conselho de Segurança indica que, de 1º de março a 30 de junho, foram registrados 356 assassinatos, a grande maioria (78%) na capital, Porto Príncipe. No mesmo período de 2016, haviam sido 345 assassinatos.

Entretanto, o relatório também aponta dados positivos, como a queda no número de policiais mortos (de 10, em 2016, para 7 neste ano), de sequestros (de 19 para 9) e de estupros (de 196 para 188).

Guterres se diz “contente” com a “transição segura no Haiti” e destaca que o país está pronto “para lidar com desafios ao seu ambiente estável de segurança, ainda que frágil, sem a presença militar”.

Fontes:
Folha de S. Paulo-Haiti nunca estará 100%, diz brasileiro comandante de tropas de paz da ONU
Estado de S. Paulo-Diário do Haiti: Com homicídios em leve alta, Haiti teme violência após saída de tropa brasileira

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. laercio disse:

    Agora deve ser pensado como usar tal força militar no Brasil. Antes de ajudar os demais temos que socorrer nossas questões internas e os militares tem papel fundamental no patrulhamento principalmente das fronteiras

  2. Lucinda Telles disse:

    O problema do Haiti é o “Sèvis Gine”, o Vodu. Os “hougans” deviam celebrar um “cessar fogo” entre eles.Todos os lugares que tem altas taxas de macumba são assim. Não acredita? jogo uma maldição em você. Você vai nascer parecido com o Brad Pitt, lá em Cité Soleil.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *