Início » Internacional » Opaq aponta ‘provável’ uso de gás cloro na Síria
ATAQUE QUÍMICO

Opaq aponta ‘provável’ uso de gás cloro na Síria

Ataque químico teria sido realizado no dia 4 de fevereiro, na cidade de Saraqib, noroeste da Síria. Governo de Bashar al-Assad nega ligação com o caso

Opaq aponta ‘provável’ uso de gás cloro na Síria
Ataque deixou 11 pessoas hospitalizadas (Foto: OPCW/Flickr)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Um relatório da Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq) informou na última quarta-feira, 16, que gás cloro “provavelmente foi usado” como arma química na Síria. O ataque teria ocorrido no dia 4 de fevereiro de 2018 na cidade de Saraqib, no noroeste do país, e levou 11 pessoas ao hospital por problemas respiratórios.

Segundo as investigações da Missão de Descoberta de Fatos (FFM), da Opaq, as conclusões se basearam em indícios como: dois cilindros encontrados, que foram determinados como depósitos de cloro; amostras ambientais com a presença incomum de cloro no local; depoimento de testemunhas; e o número e sintomas de pacientes atendidos em instalações médicas.

De acordo com a Deutsche Welle, o Observatório Sírio para Direitos Humanos, sediado no Reino Unido, relatou ataques aéreos do governo contra rebeldes em Saraqib. O envolvimento governamental é reforçado pelo ataque ter sido feito com o uso de helicópteros, segundo testemunhas. No mesmo dia, organizações de ajuda humanitária informaram que teriam tratado pacientes com sintomas de envenenamento por cloro.

Na época, a Síria negou envolvimento no suposto ataque químico, redigindo um comunicado de três páginas no qual negou responsabilidade. No entanto, o governo sírio se negou a responder inúmeras perguntas feitas pela Opaq no dia 14 de março.

O Diretor Geral da Opaq, Ahmet Uzumeu, afirmou, através de um comunicado, que condena “veementemente o uso contínuo de produtos químicos tóxicos como armas por qualquer pessoa, por qualquer motivo e em quaisquer circunstâncias. Tais atos contradizem a proibição inequívoca de armas químicas consagradas na Convenção sobre Armas Químicas”.

Mesmo com a conclusão, a Opaq não tem poder de atribuir responsabilidades por ataques. Por isso, o órgão já enviou o relatório completo para o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).

Em abril, um novo suposto ataque químico foi feito em Douma, na Síria, deixando dezenas de pessoas mortas. Em resposta, países como Estados Unidos e França lançaram mísseis contra instalações sírias que manteriam armas químicas governamentais. Uma outra equipe da Opaq está realizando investigações no local para analisar se houve uso de armas químicas – fato que já foi negado pela Rússia.

 

Leia também: Putin está perdendo de goleada a discussão sobre a Síria
Leia também: Qual o número exato de mortos na guerra da Síria?

Fontes:
OPCW-OPCW Fact-Finding Mission Confirms Likely Use of Chlorine in Saraqib, Syria
The Guardian-Syria: chlorine probably used in attack on Saraqeb – OPCW

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *