Início » Internacional » Opositor Leopoldo López deixa prisão na Venezuela
LÍDER DA OPOSIÇÃO

Opositor Leopoldo López deixa prisão na Venezuela

Líder opositor passou para prisão domiciliar

Opositor Leopoldo López deixa prisão na Venezuela
Leopoldo López estava preso desde fevereiro de 2014 (Fonte: Reprodução/El Nacional)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O opositor venezuelano Leopoldo López foi libertado na manhã deste sábado, 8, da prisão militar Ramo Verde, onde estava detido desde fevereiro de 2014.

Leia também: Deputados da oposição são agredidos no Parlamento venezuelano

A defesa de López informou que o líder opositor passou para prisão domiciliar. O Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela informou que outorgou uma “medida humanitária” a López e concedeu a ele prisão domiciliar por conta de “informação recebida sobre sua saúde”.

Leopoldo López, de 46 anos, foi condenado a quase 14 anos de prisão por incitação à violência, conspiração e danos à propriedade durante uma manifestação contra o governo do presidente Nicolás Maduro que ocorreu no dia 12 de fevereiro de 2014.

Em sua conta no Twitter, o advogado de López ressaltou que, apesar de ele ter progredido de regime, “ainda é necessário restabelecer todos os direitos civis e políticos de Leopoldo López. Além disso, há 300 presos políticos em masmorras bolivarianas”.

Líderes da oposição comemoraram a soltura de Leopoldo López e exigem a libertação de outros “presos políticos” na Venezuela.

A Venezuela enfrenta atualmente uma grave crise política e econômica. O país é palco de uma nova onda de protestos da oposição há cerca de três meses. Mais de 90 pessoas já morreram desde o início das manifestações.

Fontes:
Euronews - Líder da oposição foi libertado, mas fica em prisão domiciliar

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. helo disse:

    Leopoldo López aos 46 anos ser libertado por questões de saúde é preocupante.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *