Início » Vida » Comportamento » Os britânicos estão ficando mais sóbrios
Hábitos de consumo de álcool

Os britânicos estão ficando mais sóbrios

O caso de amor dos britânicos com a garrafa parece estar acabando

Os britânicos estão ficando mais sóbrios
Britânicos registram queda no consumo de álcool (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Há alguns meses David Cameron anunciou o início de uma luta contra o consumo excessivo de álcool. Usando uma pesquisa de cinco anos atrás para ilustrar o estado dissoluto da juventude britânica, o primeiro ministro sugeriu que a embriaguez é um problema perene. Mas, após um pico próximo à virada do milênio (quando o nível de consumo de álcool atingiu níveis iguais ao período antes da Primeira Guerra Mundial), a sobriedade voltou a se estabelecer. Desde 2004, o consumo de álcool caiu em um oitavo para 8,3 litros por pessoa por ano, de acordo com uma pesquisa oficial. As notas fiscais revelam números semelhantes.

Os jovens estão liderando a mudança. Em 2003, 70% das pessoas entre 16 e 24 anos afirmou a entrevistadores que haviam bebido na semana anterior; em 2010, esse número foi de apenas 48%. Nenhuma explicação isolada para essa tendência é inteiramente satisfatória. A queda do consumo de álcool entre jovens começou antes da crise financeira. A imigração aumentou o número de abstêmios religiosos, mas este efeito é pequeno.

Mudanças culturais também influenciaram essa mudança. Fiona Measham, criminologista da Universidade de Lancaster, afirma que os padrões de consumo de álcool costumam ter ciclos de 10 a 15 anos, já que as gerações reagem àquelas que as precederam. Ela sugere que o consumo excessivo de álcool perdeu o seu glamour.

O resultado é menos desordem pública. Condenações daqueles que dirigiam alcoolizados caíram em 33% entre 2007 e 2010, apesar de um aumento nos testes de bafômetro. Condenações por embriaguez caíram à metade desde 2000. Mas há uma preocupação que não foi removida. No ano passado três quartos das hospitalizações em que o álcool era a causa principal se deveram a problemas crônicos em vez de bebedeiras ocasionais. A festa foi divertida, mas a ressaca var ser longa e dolorosa.

Fontes:
The Economist-Sobering

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *