Início » Internacional » França aprova morte por sedação para pacientes terminais
FIM DA VIDA

França aprova morte por sedação para pacientes terminais

A medida ainda não legaliza a eutanásia ou o suicídio assistido

França aprova morte por sedação para pacientes terminais
Os médicos vão ser permitidos a parar os tratamentos vitais, incluindo hidratação e nutrição artificial (Foto: Pixabay)

O Parlamento Francês aprovou a sedação até a morte de pacientes terminais, mas a medida não legaliza a eutanásia ou o suicídio assistido. Depois de anos de intenso debate, o texto é resultado de consenso entre políticos socialistas e conservadores.

Leia mais: Autoridades britânicas vetam projeto de lei favorável à eutanásia
Leia mais: Distúrbios psicológicos justificam a eutanásia na Bélgica
Leia mais: Holanda torna-se o primeiro país a legalizar a eutanásia

A nova lei vai permitir que pacientes peçam “uma sedação profunda e contínua, que vai alterar a consciência, até a morte”, mas apenas quando sua real condição o levar a uma morte iminente. Os médicos vão ser permitidos a parar os tratamentos vitais, incluindo hidratação e nutrição artificial. Além disso, a sedação e os analgésicos vão ser permitidos “mesmo que encurtem a vida do paciente”.

A lei também vai incluir os pacientes que não são mais capazes de expressar suas vontades, seguindo um processo de consulta dos membros da família.

Os métodos envolvem: pacientes medicados que morrem naturalmente de sua própria doença ou de fome. Alguns médicos, entretanto, dizem que a eutanásia é mais humanizada.

O debate sobre as condições do fim da vida foi reavivado na França com o caso de Vicent Lambert, que estava em coma desde um acidente de carro há oito anos. A Corte Europeia de Direitos Humanos aprovou em junho o pedido da esposa do paciente para que os médicos parassem de tratá-lo. Mas seus pais recorreram da decisão por não concordar com o procedimento.

A nova lei força os médicos a seguirem as instruções de fim da vida se elas forem expressas pelo próprio paciente ou se a pessoa tiver deixado seu desejo por escrito. As pessoas também podem deixar designado alguém de confiança que vai decidir caso o paciente não possa mais se expressar.

A lei especifica que o paciente pode escolher ser sedado em casa ou no hospital.

Fontes:
The Guardian-France adopts sedated dying law as compromise on euthanasia
Zero Hora-França autoriza "sedação assistida" de pacientes terminais

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. Uelquer Guedes disse:

    O primeiro passo para uma morte mais humanizada, em alguns casos, retardar a morte apenas causa mais sofrimento à família e envolvidos, até mesmo ao próprio paciente. Quem saiba um dia nosso país possa evoluir no que diz respeito ao cuidado paliativo e a morte com dignidade.

  2. Evalda alves dos anjos disse:

    Eu sou contra, mas porém, se o cliente em vida autorizar concordo, eu mesma ja avisei minha familia, se caso ocorrer com a minha pessoa deixarei um termo em vida prefiro eutanasia, porque muito sofrimento, e mesmo se um dia conseguirmos sair de um coma a sequela sera enorme. Minha opuniao sou contra, hoje temos cuidados paliativos ate qdo Deus chamar.

  3. Antonio Gonçalves disse:

    Eutanásia é a morte provocada, intencionalmente, pelo médico num doente consciente, a pedido deste. Em França, como em Portugal, não é legal. A sedação e outras práticas, a que a notícia faz referência, são integrantes dos cuidados paliativos. A notícia não traria novidades: exige-se, naturalmente, a boa prática dos cuidados paliativos, de qualidade, para todos os que necessitem. Entre nós, aproxima-se a discussão da eutanásia , no palco legislativo, mas continua a haver um silêncio comprometedor sobre os cuidados paliativos, não se esclarecendo a confusão entre a rede de cuidados continuados, indiferenciada, que estão a aplicar, e a rede de cuidados paliativos, que é a legal e especifica, e não arranca.É da responsabilidade exclusiva do Ministério da Saúde (SNS). No Fundão, não tem sentido o Serviço de Medicina Paliativa do CHCB ter sido extinto e os Cuidados Paliativos do Hospital do Fundão terem passado para A Rede Nacional de Cuidados Continuados (Misericórdias), quando o seu verdadeiro lugar é no seio do CHCB, como foi até 2015.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *