Início » Internacional » Partido antipolítico ganha força na Itália
ITÁLIA

Partido antipolítico ganha força na Itália

O partido Movimento Cinco Estrelas ganha cada vez mais adeptos, mas tem pela frente o desafio de mostrar eficiência

Partido antipolítico ganha força na Itália
O movimento quer se livrar dos partidos (foto: Wikimedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Em apenas sete anos, o Movimento Cinco Estrelas (M5S) se tornou o maior grupo de oposição da Itália. Em 4 de dezembro, um referendo no país vai decidir se aceita ou não a reforma constitucional, proposta pelo governo do primeiro-ministro Matteo Renzi. Pesquisas mostram que o “não” está levando vantagem, o que pode levar a uma crise política.

Nenhum dos dois homens que fundaram o M5S em 2009 era um político na época. Um era Beppe Grillo que deu carisma e visibilidade ao movimento. Mas foi o seu cofundador, Gianroberto Casaleggio, um executivo de TI, que lhe deu o seu carácter distintivo. Casaleggio convenceu o comediante, que havia sido banido da televisão, a iniciar um blog. Ele, então, encorajou os fãs do blog a usar a plataforma online Meetup para formar as células partidárias locais que lançaram os alicerces para os M5S.

O movimento quer se livrar dos partidos. Esta visão explica o motivo pelo qual o movimento se recusa a negociar com partidos e insiste em dizer que não é de direita nem de esquerda.

Embora a maior parte da liderança do M5S tenha vindo da esquerda, o movimento também angariou votos da esquerda pelo fim dos partidos. Por isso, o M5S é um adversário temível, especialmente nas eleições que tiverem segundo turno, estabelecido na Itália pela nova lei eleitoral. No entanto, esta vantagem pode se tornar vulnerável, já que os seus membros provenientes da esquerda e da direita estão, cada vez mais, entrando em conflito. Outro grande desafio é que seus candidatos superem a inexperiência e consigam governar bem. A nova prefeita de Roma, Virginia Elena Raggi, do M5S foi eleita este ano, mas teve um início de gestão desastrosa. Se o movimento não conseguir gerir uma cidade, os eleitores podem concluir que governar um país não será uma sábia opção.

Fontes:
The Economist-Italy’s Five Star Movement
Uol Notícias-Itália terá referendo sobre reforma constitucional em 4 de dezembro

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *