Início » Vida » Ciência » Pesquisa sugere que o aperto de mão pode ser um processo químico
Cumprimento Social

Pesquisa sugere que o aperto de mão pode ser um processo químico

Assim como outros animais, os seres humanos secretam uma substância química ao se cumprimentarem, dizem pesquisadores

Pesquisa sugere que o aperto de mão pode ser um processo químico
Pesquisadores reuniram 280 voluntários no laboratório do instituto para fazer uma experiência secreta (Reprodução/GettyImages/Cultura RF)

Segure bem firme, mantenha o contato com o olhar. O que fazemos durante um aperto de mão não tem mistério. Mas e depois? Uma pesquisa publicada esta semana na revista eLife sugeriu que os seres humanos, assim como outros animais, secretam uma substância química ao se cumprimentarem.

Noam Sobel do Weizmann Institute of Science, em Israel, anotou uma observação feita por epidemiologistas em 2008 a respeito da frequência com que as pessoas tocavam em seus rostos. Sobel teve a intuição que esses toques constantes tinham relação com os cheiros e, portanto, haveria a possibilidade de os seres humanos secretarem substâncias, que provocavam reações fisiológicas ou comportamentais, a exemplo dos feromônios uma substância cujo cheiro exercia uma atração sexual.

Com o objetivo de testar sua ideia, Sobel e sua equipe reuniram 280 voluntários no laboratório do instituto para fazer uma experiência secreta. Primeiro, os voluntários ficaram sozinhos por alguns minutos. Em seguida, uma pessoa escolhida entre vinte homens e mulheres, os cumprimentou com um aperto de mão ou não, disse que a experiência começaria logo, e partiu. Mas os voluntaries não sabiam que a experiência já havia começado há muito tempo e que estavam sendo filmados.

Noam Sobel e seus colegas observaram quantas vezes os voluntários colocaram as mãos perto do rosto antes e depois do cumprimento, e se o aperto de mão tivera alguma influência nesse comportamento. Ao final da experiência eles constataram, que as pessoas que haviam sido cumprimentadas com um aperto de mão tocaram no rosto com mais frequência e que, além disso, aproximaram as mãos do nariz.

Fontes:
Economist-Smell the glove

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *