Início » Vida » Ciência » Pesquisadores descobrem vantagens em usinas nucleares flutuantes
Reatores no mar

Pesquisadores descobrem vantagens em usinas nucleares flutuantes

Ideia de construir usinas nucleares em plataformas no mar, como as de petróleo, esta conquistando apoiadores nos EUA e na Rússia

Pesquisadores descobrem vantagens em usinas nucleares flutuantes
Usinas nucleares flutuantes oferecem benefícios tanto econômicos como de segurança (Reprodução/MIT)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Há muitas coisas que as pessoas não gostariam de ter em seus quintais, e as usinas nucleares estão entre as primeiras dessa lista. Mas e se os reatores flutuantes pudessem ser montados offshore, longe do alcance das cidades? Embora possa parecer estranha, essa ideia esta conquistando apoiadores nos EUA e na Rússia.

Os benefícios potenciais de construir usinas nucleares em plataformas flutuantes – semelhantes àquelas utilizadas pelo setor de petróleo e gás offshore – foram apresentadas recentemente em um congresso organizado pela Sociedade Americana de Engenheiros Mecânicos por Jacopo Buongiorno, Michael Golay, Neil Todreas e seus colegas do Massachusetts Institute of Technology.

Usinas nucleares flutuantes oferecem benefícios tanto econômicos como de segurança, de acordo com os pesquisadores. No mínimo elas conseguem tirar vantagem de duas tecnologias maduras e bem entendidas: reatores nucleares de água leve e a construção de plataformas offshore. As estruturas seriam construídas em estaleiros com o uso de técnicas testadas e em seguida rebocadas por diversos quilômetros oceano adentro e enfim ancoradas no assoalho marinho.

Reatores offshore ajudariam a superar a dificuldade cada vez maior de encontrar lugares para novas usinas nucleares. Eles precisam de muita água. Outro benefício de estar distante da costa é o que o núcleo do reator, flutuando sob a superfície da água, poderia ser resfriado passivamente sem a necessidade de recorrer a bombas movidas a eletricidade, as quais podem falhar. Uma usina nuclear flutuante também estaria protegida contra terremotos e maremotos. A vastidão do oceano protegeria a estrutura de ondas sísmicas no leito marinho.

Fontes:
The Economist-All at sea

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Antonio Carlos Saavedra disse:

    Excelente ideia. E em caso de vazamento de radiação da para rebocar a usina para a costa de algum país pobre, sem Marinha ou Força Aérea que impeça.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *