Início » Cultura » Destroços de navio negreiro português são encontrados na costa africana
História

Destroços de navio negreiro português são encontrados na costa africana

O navio, que transportava escravos para trabalhar no Maranhão, naufragou na costa da África do Sul. É a primeira vez que uma embarcação negreira que afundou com escravos é encontrada

Destroços de navio negreiro português são encontrados na costa africana
O navio deixou Moçambique em dezembro de 1794 (Reprodução/Wikipedia)

Pesquisadores do Museu de História e Cultura Afro-americanas da fundação Smithsonian anunciaram na última terça-feira, 2, a descoberta de destroços do navio negreiro português São José Paquete África, localizados na região costeira da África do Sul. É a primeira vez que uma embarcação negreira que afundou com escravos é encontrada.

Após anos de pesquisa e em parceria com o Museu Iziko, da África do Sul, arquivos em que o capitão português Manuel João detalhava o que havia acontecido com a embarcação foram encontrados em 2011. De acordo com o documento, o navio deixou Moçambique em dezembro de 1794 com destino ao Maranhão, onde os escravos seriam vendidos para trabalhar nas plantações de cana de açúcar.

Após 24 dias de viagem, a embarcação se chocou contra pedras e ficou preso entre dois corais depois de tentar se aproximar da costa sul-africana para fugir de fortes ventos em alto mar. Pesquisadores estimam que o navio transportava de 400 a 500 escravos. Os tripulantes sobreviveram, mas metade dos africanos morreram. Dois dias depois do naufrágio, os escravos sobreviventes foram vendidos novamente.

Os pesquisadores descobriram em documentos portugueses que o navio havia deixado Lisboa com mais de mil blocos de ferro que eram usados para estabilizar a embarcação, já que os escravos não pesavam o suficiente para impedir o barco de tombar. A prova definitiva de que os destroços encontrados eram de um navio negreiro surgiu quando mergulhadores encontraram alguns destes blocos entre os destroços da embarcação. Até o momento, não foram encontrados restos mortais dos escravos que morreram durante o náufrago.

Fontes:
The New York Times-Finding a Slave Ship, Uncovering History

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *