Início » Internacional » Pilhas descartáveis estão com os dias contados
PERTO DO FIM

Pilhas descartáveis estão com os dias contados

Nos países mais pobres o mercado para baterias descartáveis está sendo sabotado antes mesmo de crescer, à medida que se proliferam dispositivos baratos movidos a energia solar, eólica ou baterias recarregáveis

Pilhas descartáveis estão com os dias contados
Fabricar energia nunca foi mais fácil, mas ganhar dinheiro a revendendo em pequenos tubos está cada vez mais difícil (Reprodução/Internet)

Já se foi o tempo em que uma lanterna consistia em uma lâmpada incandescente e pilhas descartáveis. Hoje em dia é mais provável que uma lanterna seja composta por um LED de baixo consumo e uma bateria de alta durabilidade recarregável – ou ainda nenhuma bateria: um movimento do pulso ou uma torção do seu cabo pode gerar energia o suficiente para que ela emita um faixo de luz.

Essas tendências – consumo de energia mais baixo, baterias recarregáveis melhores e mais baratas, novas fontes de energia – estão tirando pedaços do que costumava ser um mercado lucrativo. Controles remotos para televisores, por exemplo, costumavam utilizar pilhas. Agora eles podem ser substituídos por um aplicativo de celular. Os últimos aparelhos, tais como dispositivos vestíveis, vêm com baterias embutidas (em geral baseadas em uma fina cama de lítico, não em um tubo cheio de dióxido de magnésio, álcalis e zinco).

A competição também está intensificando. Muitos consumidores hoje em dia compram baterias em lojas baratas e não se importam mais com marcas. Especula-se que na Europa todas as grandes fabricantes estejam usando sua capacidade ociosa para produzir baterias para varejistas e outras concorrentes genéricas.

Nos países mais pobres o mercado para baterias descartáveis está sendo sabotado antes mesmo de crescer, à medida que se proliferam dispositivos baratos movidos a energia solar, eólica ou baterias recarregáveis. Fabricar energia nunca foi mais fácil, mas ganhar dinheiro a revendendo em pequenos tubos está cada vez mais difícil.

Fontes:
The Economist-Out of juice

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. helo disse:

    Enfim uma notícia boa.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *