Início » Internacional » Polícia francesa é acusada de adulterar documentos de imigrantes
EUROPA

Polícia francesa é acusada de adulterar documentos de imigrantes

A adulteração da data de nascimento do imigrante seria uma forma de evitar a entrada de menores de idade desacompanhados, que é assegurada pela lei europeia

Polícia francesa é acusada de adulterar documentos de imigrantes
Muitos imigrantes vão para o norte da Itália para tentar chegar à França, Áustria ou Suíça (Foto: Pixabay)

Sete organizações filantrópicas italianas estão acusando a polícia de fronteira francesa de falsificar a data de nascimento de jovens imigrantes para impedir que eles sigam viagem, mandando-os de volta para a Itália. As organizações entraram com um recurso na Comissão Europeia e no Ministério do Interior da Itália, e apontaram evidências de dois casos, nos quais as datas de nascimento parecem ter sido adulteradas nos documentos.

Segundo a lei europeia, menores de idade desacompanhados devem ser protegidos. Os menores, que estiverem procurando asilo em um dos estados-membros da União Europeia, têm o direito de serem transferidos para outro estado-membro, onde tenham familiares.

Um dos casos apontados ocorreu em março, quando funcionários de uma das organizações filantrópicas estavam monitorando a situação na fronteira italiana, na comuna de Ventimiglia. Grande parte dos imigrantes que tentam seguir pelo norte da Itália rumo à França, por trem, passam pela comuna italiana de Ventimiglia. Eles então são mandados de volta pelos policiais que patrulham Menton Garavan, a primeira parada no sul da França.

Os funcionários viram dois menores de idade, que eles já conheciam, sendo parados pela polícia. “Nós vimos que a polícia escreveu a data incorreta de nascimento no documento de ‘entrada recusada’. Um dos jovens tirou uma foto do documento e você pode ver que sua data de nascimento está diferente da que ele declarou. Nós conseguimos bloquear a deportação e a França eventualmente os deixou entrar ”, disse a assistente legal da organização Intersos, Daneila Ziterosa, ao Guardian.

O menino que tirou a foto nasceu na Eritreia no dia 1º de outubro de 2001, mas a data foi modificada para 1º de janeiro de 2000. Ele chegou à Itália em junho do ano passado e tenta chegar à Suécia, onde seu irmão vive.

As organizações também apontaram que a Itália falha na hora de realizar procedimentos adequados para reunificação familiar, deixando muitas crianças sem opção a não ser continuar suas jornadas sozinhas.

O número de imigrantes chegando à Itália de barco caiu significativamente nos últimos nove meses, devido a um controverso pacto com a Líbia para combater a imigração ilegal. No entanto, a Itália ainda é o país da Europa com maior número de chegada de imigrantes de barco.

Muitos imigrantes vão para o norte da Itália para tentar chegar à França, Áustria ou Suíça. Mas as patrulhas de fronteira, na França, estão tornando isso quase que impossível. Segundo Ziterosa, cerca de 200 pessoas estão, atualmente, dormindo de baixo de pontes na comuna de Ventimiglia, na Itália.

Uma fonte na polícia de fronteira italiana disse ao Guardian que se houver dúvida na idade do imigrante, a França pode consultar o banco de dados italiano. “Nós identificamos as pessoas depois que elas chegam. Então, sabemos se elas são menores de idade ou adultos. Logo, se houver qualquer dúvida, as autoridades francesas podem checar conosco. E se houver menores de idade, eles têm de aceitá-los e não mandá-los de volta”, disse a fonte.

Fontes:
The Guardian- French police accused of falsifying migrant children's birth dates

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *