Início » Internacional » População civil se uniu à luta entre soldados e guerrilheiros na Turquia
Conflitos

População civil se uniu à luta entre soldados e guerrilheiros na Turquia

O ódio entre os turcos e curdos está causando conflitos violentos em diversos lugares da nação

População civil se uniu à luta entre soldados e guerrilheiros na Turquia
A violência está se disseminando pela Turquia (Foto: Wikipedia)

A região oriental da Turquia ficou paralisada durante semanas, em razão dos confrontos entre as tropas do governo e os extremistas curdos. Agora a violência está se disseminando pelo resto do país. As bombas lançadas por combatentes curdos nas estradas mataram 30 soldados e policiais nos dias 6 e 8 de setembro. Por vingança, multidões de nacionalistas empunhando bandeiras turcas atacaram os escritórios do Partido Democrático do Povo (HDP) pró-curdo. Na cidade mediterrânea de Alanya, os manifestantes incendiaram a sede regional do partido. Na capital Ancara um grupo de fanáticos entrou no escritório nacional do partido e tentou incendiá-lo.

Em diversos lugares pequenas empresas de propriedade dos curdos foram incendiadas. No oeste e no centro do país, multidões enfurecidas impediram que os trens continuassem a viagem para as regiões de maioria curda a sudeste da Turquia, com ameaças aos passageiros e quebrando os vidros das janelas. Os escritórios do jornal Hürriyet, que tem sido acusado de distorcer as declarações do presidente Recep Tayyip Erdogan, foram cercados em duas ocasiões por manifestantes com pedras e cassetetes nas mãos.

Os dois anos de negociações entre o governo central e os separatistas curdos se mostraram inúteis diante da nova onda de violência. Os conflitos reiniciaram-se em julho e as operações militares estão aumentando em várias cidades. A cidade de Cizre, onde dez pessoas morreram, entre elas crianças, o toque de recolher é rígido e os soldados fazem buscas nas casas para recuperar o controle de áreas dominadas pelos militantes.

O frenesi de agressão e ódio não é uma surpresa. Durante as negociações no ano passado, o governo e os separatistas curdos prepararam-se discretamente para a guerra. O governo construiu novos postos militares fortificados nas áreas rurais, onde a maioria dos ataques dos rebeldes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) ocorreu durante o grande confronto há 20 anos.

Fontes:
The Economist - The hatred never went away

1 Opinião

  1. jayme endebo disse:

    Tudo o que acontece no oriente médio tem um só embrião, o fim do Império Turco Otomano que foi liquidado na primeira guerra e ainda não se resolveu. A Alemanha e o Japão que tinham pendencias territoriais desde a primeira guerra, resolveram com a Segunda guerra mas foram derrotados e as pendencias foram resolvidas com perdas maiores do que a sua entrada.
    Agora temos o Oriente Médio com várias pendencias territoriais e com guerras entre si esperamos que não torne mundial

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *