Início » Internacional » Presidente do Equador recua e derruba alta dos combustíveis
DIÁLOGO

Presidente do Equador recua e derruba alta dos combustíveis

Acordo entre governo e líderes indígenas foi celebrado por manifestantes nas ruas

Presidente do Equador recua e derruba alta dos combustíveis
Moreno se encontrou com líderes indígenas neste domingo (Fonte: Reprodução/@Lenin/Twitter)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O presidente do Equador, Lenín Moreno recuou e revogou o decreto que retirava o subsídio estatal aos combustíveis. O anúncio foi feito na noite deste domingo, 13, após um acordo entre o governo e líderes indígenas.

O acordo foi celebrado por manifestantes nas ruas e deve frear a onda de 11 dias de protestos em todo o país.

Moreno, que se encontrou com líderes indígenas neste domingo, afirmou que o decreto será substituído por um novo texto, que, por sua vez, será redigito por uma comissão composta por organizações do movimento indígena, “com a mediação das Nações Unidas e da Conferência Episcopal do Equador e com a supervisão das demais funções do Estado”.

“O bem mais valioso que temos é a paz, e eu valorizo a paz como valorizo o sacrifício dos irmãos indígenas”, afirmou Lenín Moreno.

O fim do subsídio que havia sido anunciado por Moreno provocou uma alta de até 123% no preço dos combustíveis, desencadeando uma onda de protestos no Equador. O governo chegou a decretar “estado de exceção” e a transferir a sede de governo de Quito para Guayaquil.

O secretário da Presidência, Juan Sebastián Roldán, ressaltou que a atitude do presidente Lenín Moreno de se abrir ao diálogo permite superar a crise e restaurar a paz e a tranquilidade.

Fontes:
G1 - Governo do Equador recua e revoga decreto que elevou preço dos combustíveis; manifestantes celebram

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *