Início » Internacional » Presidente francês visita o Haiti e fala em ‘pagar dívida moral’
dívida da independência

Presidente francês visita o Haiti e fala em ‘pagar dívida moral’

No século XX, a França obrigou o Haiti a pagar 90 milhões de francos por danos causados pela sua independência. Dívida condenou o Haiti à miséria que persiste até os dias atuais

Presidente francês visita o Haiti e fala em ‘pagar dívida moral’
Presidente francês se comprometeu a ajudar na reformulação do sistema educacional do Haiti. Ativistas querem indenização de US$ 17 bilhões (Foto: Wikipédia)

Na última terça-feira, 12, em visita ao Haiti, o presidente francês, François Hollande, se comprometeu a ajudar o Haiti a modernizar seu sistema educacional e disse que vai “resolver a dívida que os franceses têm com a ex-colônia”. A declaração foi rapidamente explicada pelos assessores, que disseram que Hollande estava se referindo a uma dívida moral e não financeira.

A dívida a que Hollande se referiu remete ao período que sucedeu a declaração de independência do Haiti. Em 1791, os escravos da então colônia caribenha mais bem sucedida da França, Santo Domingo, se revoltaram. O levante foi motivado pela exploração excessiva e o abuso contra a população africana, e foi influenciado pelos valores iluministas.

Em 1804, foi criada a República Independente do Haiti. O novo país, no entanto, nunca foi tratado igualmente pelas nações ocidentais. Ao norte, os Estados Unidos, na época um país de escravocratas, boicotaram os comerciantes haitianos, discriminando o país por ter população majoritariamente de negros livres.

A França, a colonizadora, se negava a reconhecer a independência do país. Em 1825, a frota francesa ameaçou invadir o Haiti, caso não fosse paga uma dívida de 150 milhões de francos de compensação pelas perdas francesas com plantações e escravos. Posteriormente, o valor foi reduzido para 90 milhões de francos, o que não fez tanta diferença. A verdade é que o Haiti precisou pagar por sua liberdade.

A dívida preparou o terreno para décadas de miséria econômica e subdesenvolvimento do Haiti, uma das nações mais pobres do hemisfério ocidental. O valor foi pago do século XIX até meados do século XX. O legado do passado ainda está muito vivo na realidade haitiana.

Mas muitos no Haiti querem mais do que isso, incluindo um grupo de ativistas que protestaram na chegada de Hollande ao país, gritando e levantando cartazes. Para eles, as desculpas francesas chegaram tarde demais. Ele defendem que as indenizações pagas pelo Haiti há mais de um século atrás devem ser revertidas. Alguns calculam que o custo de todos os francos do século 19 somam cerca de US$ 17 bilhões.

Fontes:
Washington Post-Is it time for France to pay its real debt to Haiti?

4 Opiniões

  1. Mauricio Fernandez disse:

    Ignorar detalhes importantes do que afirmamos reduz a capacidade de informação e afirma uma pretensa sabedoria. O dinheiro arrecadado no mundo inteiro para socorrer as vítimas do último terremoto daria para reconstruir totalmente o Haiti por no mínimo três vezes – segundo próprios órgãos oficiais. Entretanto, apesar de centenas de ONGS e empresas estrangeiras atuando (diria melhor “sugando” os recursos) a situação é de calamidade total com a devida colaboração do governo – governo? corrupto que a tudo domina com mão de ferro. O sofrido, espoliado e massacrado povo haitiano culpa a quem mesmo por suas dores e misérias?

  2. Hugo Leonardo Filho disse:

    Os haitianos não podem culpar os outros a vida toda pela sua miséria. Tivessem permanecido colonia da França, hoje teriam uma economia movia a euro, como a Guiana Francesa.

  3. Carlos U Pozzobon disse:

    Os haitianos deveriam estar nas ruas com cartazes pedindo a volta da tutela da França. E lutar pelo reconhecimento oficial de que fracassaram como país independente. Certamente que a França iria dizer “não queremos nem de graça”. A política de Hollande é uma comédia de erros atenuada momentaneamente pelo terrorismo no episódio do Charlie Hebdo..

  4. Victor Ivens disse:

    A má imagem que o mundo tem da frança quase que se justifica.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *