Início » Internacional » Grécia dá início a programa europeu de deportação em massa
CRISE DOS REFUGIADOS

Grécia dá início a programa europeu de deportação em massa

Ação faz parte do acordo firmado entre a União Europeia e a Turquia

Grécia dá início a programa europeu de deportação em massa
União Europeia fecha acordo com Turquia sobre questões de refugiados (Foto: Mario Salerno / European External Action Service)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Nesta segunda-feira, 04, foi reenviado à Turquia o primeiro grupo de imigrantes que entraram ilegalmente na Europa. Barcos fretados pela Frontex, agência europeia de vigilância das fronteiras externas da União Europeia, levaram dezenas de refugiados das ilhas gregas de Lesbos e Chios para Dikili, cidade turca. A maioria dos imigrantes era do norte da África, do Afeganistão e do Paquistão. Não havia refugiados sírios neste primeiro grupo de imigrantes levados da Grécia à Turquia.

Em 18 de março, a União Europeia e a Turquia firmaram um acordo, que tem sido criticado por defensores dos direitos humanos. O plano prevê que para cada sírio reenviado da Grécia à Turquia, um refugiado sírio que viva legalmente na Turquia seja reassentado em um dos países membros da União Europeia. Segundo as contas da AFP, desde 20 de março, cerca de seis mil refugiados e imigrantes teriam entrado ilegalmente na Grécia.

Autoridades turcas disseram que, sob o novo acordo, todos os imigrantes ilegais, com exceção dos cidadãos sírios, serão deportados para seus países de origem.

No último sábado, Peter Sutherland, conselheiro especial da ONU para as migrações, mostrou preocupação com “expulsões coletivas sem levar em contra os direitos individuais daqueles que afirmam ser refugiados”. Mas o coordenador grego para as questões migratórias, Giorgos Kyritsis, disse que a operação se destina apenas a “pessoas que não pediram asilo”. Não é a toa que muitos imigrantes pediram asilo no último minuto, aproveitando que o acordo prevê a análise individual de cada caso (e a possibilidade de recurso em caso de recusa de asilo), o que permite ganhar algum tempo. No entanto, a Anistia Internacional, acusou Ancara, capital turca, de obrigar diariamente centenas de sírios a regressar ao seu país, uma acusação rejeitada pela Turquia.

O acordo não resolve o problema de cerca de 50 mil outros imigrantes e refugiados que chegaram à Grécia antes de 20 de março, data a partir do qual o acordo entrou em vigor.

 

Fontes:
The Economist-A new Odyssey: Greece returns migrants
El País-União Europeia e Turquia chegam a acordo para expulsar refugiados
Público-Primeiros migrantes e refugiados reenviados da Grécia para a Turquia

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *