Início » Internacional » Protestos em Hong Kong começam a perder a força
pró-democracia

Protestos em Hong Kong começam a perder a força

Número de estudantes acampados nas ruas e presentes em manifestações pró-democracia diminuiu significativamente

Protestos em Hong Kong começam a perder a força
Diminuição dos protestos levantou dúvidas se os estudantes tinham alguma estratégia bem definida (Reprodução/Estadão)

Após uma semana turbulenta, os protestos pró-democracia em Hong Kong, liderados por estudantes, começaram a perder força. Nesta segunda-feira, 6, algumas centenas de manifestantes permaneciam acampados nas ruas, de onde só pretendem sair após terem as exigências atendidas pelo governo. Porém, o número de manifestantes caiu significativamente.

Leia mais: Porque Hong Kong permanece vital para a economia chinesa
Leia mais: Governador de Hong Kong cede ao diálogo, mas não renuncia
Leia mais: Protestos pró-democracia em Hong Kong desafiam a China

Os estudantes deixaram a ocupação do centro financeiro da cidade, e o tráfego voltou a fluir em ruas que antes estavam bloqueadas. Escolas reabriram e funcionários públicos voltaram ao trabalho.

A diminuição dos protestos levantou dúvidas se os estudantes tinham alguma estratégia bem definida sobre as manifestações, que, assim como em 2013 no Brasil, começaram de forma livre e de participação espontânea.

Para Alex Chow, um dos líderes estudantis, a redução na adesão é normal. “Definitivamente, esse não é o fim. Nunca estabelecemos um período pelo qual as manifestações vão prosseguir. É normal que as pessoas vão para casa. Que venham e vão”.

As negociações preliminares entre o governo e os estudantes ainda têm divergências. Em entrevista à Folha, o líder estudantil Joshua Wong disse que pretende manter o governo sob pressão, mas admitiu que ainda não há um plano definido. “Esperamos as negociações com o governo”, disse o jovem de 17 anos, que se tornou um dos maiores nomes dos protestos.

Na semana passada, as ruas de Hong Kong foram palco de intensos protestos contra a intervenção de Pequim nas eleições que ocorrerão em 2017. Os manifestantes também exigiam a renúncia do líder de Hong Kong, Leung Chun-ying, acusado pelos ativistas de defender os interesses da China.

Fontes:
Folha-Líder de movimento pró-democracia em Hong Kong quer manter protestos
Estadão-Protestos em Hong Kong diminuem após semana tumultuada

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *