Início » Economia » Putin diz que Rússia segue forte mesmo com sanções
Economia

Putin diz que Rússia segue forte mesmo com sanções

Em entrevista à TV estatal russa, Putin diz que as sanções ocidentais somente tornarão o país mais forte

Putin diz que Rússia segue forte mesmo com sanções
Aos telespectadores, Putin passou a imagem de um líder confiante e otimista na recuperação de seu país (Reprodução/Wikimedia)

O presidente russo, Vladimir Putin, disse nesta quinta-feira, 16, que a economia da Rússia está prestes a se recuperar após um de acirramento com o Ocidente.

As declarações foram dadas em um programa da televisão estatal russa. Aos telespectadores, Putin passou a imagem de um líder confiante e otimista na recuperação de seu país.

Putin disse que, apesar das sanções ocidentais, a economia russa segue firme e forte. O presidente  disse crer que as sanções contra seu país devem durar anos, mas elas não vão enfraquecer o país. Para Putin, elas “vão tornar a Rússia mais forte”.

“É muito improvável que as sanções sejam extintas agora, porque se trata de uma questão política. Querem restringir nosso crescimento”, disse o presidente russo.

Putin também reafirmou os planos do Kremlin de enviar um sistema de mísseis ao Irã, ressaltando que isso não representa uma ameaça à segurança de Israel.

Sobre a situação na Ucrânia, Putin adotou um tom mais conciliatório, afirmando que planeja trabalhar com o governo de Kiev para solucionar o conflito na região. O presidente disse que não deseja uma guerra na fronteira de seu país, mas que os esforços de paz dependem da flexibilidade do governo ucraniano.

Putin também aproveitou a entrevista para falar das relações da Rússia com os EUA. O presidente disse que a Rússia não deseja ser inimiga de nenhum país, mas afirmou que tem poucas esperanças frente às relações entre Moscou e Washington.

“Os Estados Unidos não precisam de aliados, mas de vassalos. A Rússia não consegue participar deste tipo de relação”, disse Putin.

Fontes:
The Washington Post-Putin: Russian economy can rebound stronger from Western sanctions

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *