Início » Cultura » Artes Plásticas » Qual a linha que separa homenagem de plágio?
Arte

Qual a linha que separa homenagem de plágio?

Artista protesta a revelação de uma obra na China que é extremamente parecida com sua escultura, localizada em Chicago

Qual a linha que separa homenagem de plágio?
Segundo o prefeito de Chicago, “Imitação é a forma mais sincera de elogio” (Foto: Pixabay)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Anish Kapoor, autor da famosa escultura “Cloud Gate”, apelidada de “The Bean” (“O feijão”), localizada no Millenium Park, em Chicago, EUA, vem publicamente expressando sua consternação sobre o fato de a cidade de Karamay, na China, ter apresentado uma escultura que se parece – e muito – com a sua.

Ele esbravejou que o projeto, cujo autor se mantém anônimo, é um plágio descarado. “Hoje, na China, é permitido roubar a criatividade de outros”, disse Kapoor, prometendo levar sua revolta ao nível mais alto e processar judicialmente os responsáveis pela obra.

Kapoor expressou esperança de que o prefeito de Chicago, Rahm Emanuel, se junte a ele na sua cruzada por seus direitos autorais. O prefeito, no entanto, tem uma visão diferente da versão chinesa do “The Bean”. “Imitação é a forma mais sincera de elogio. E quem quiser ver a obra original, venha a Chicago”, disse o prefeito.

Na arte visual, bem como em outras formas, uma cópia do trabalho artístico é uma violação de direitos autorais, enquanto usar elementos do trabalho protegido por direitos autorais de alguém pode ser permitido sob a disposição “uso justo” da lei americana.

A escultura em Karamai provavelmente infringe os direitos autorais de Kapoor, mas o que foi realmente roubado? Os chineses não estão produzindo camisas com o “The Bean” ou vendendo miniaturas da escultura. Pelo contrário, estão prestando homenagem ao trabalho original, como fizeram quando réplicas da Torre Eiffel construídas nas cidades de Shenzhen e em Hangzhou.

Quando os burgueses da aldeia de Hallstt, na Áustria, souberam dos planos de um rico minerador chinês de construir  uma cópia da sua joia Alpina em 2011, ficaram surpresos e escandalizados. Os chineses construíram sua duplicata  sem anúncio e muito  menos permissão. No entanto, logo os austríacos descobriram as vantagens de ter milhares de turistas chineses, ao invés de apenas dúzias, visitando a sua cidade, comendo suas comidas típicas e se hospedando em suas pousadas todos os anos. Talvez Anish Kapoor descubra, eventualmente, o lado bom de ter o seu “The Bean” clonado.

Fontes:
The Economist - The Bean and the Bubble

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *