Início » Internacional » Quando um sedativo se torna uma droga de execução
PENA DE MORTE

Quando um sedativo se torna uma droga de execução

Químico responsável pelo sedativo não sabia do uso da droga em execuções até um repórter contatá-lo em 2015

Quando um sedativo se torna uma droga de execução
A controvérsia mais recente é o plano de Arkansas em executar oito detentos em 10 dias no mês que vem (Foto: Wikimedia)

Quando o químico Armin Walser ajudou a inventar um sedativo poderoso há mais de 40 anos, ele esperava que a invenção de sua equipe fosse facilitar a vida das pessoas e não, a morte.

Décadas depois da droga, conhecida como midazolam, ter entrado no mercado e ser normalmente usada em colonoscopia e cateterismo, ela virou substância importante para execuções ao redor do país.

A droga foi usada como sedativo em 20 injeções letais nos Estados Unidos. “Eu não fiz a droga com este propósito”, disse Walser.

A controvérsia mais recente é o plano de Arkansas em executar oito detentos em 10 dias no mês que vem. O estado está correndo contra o calendário. O estoque de midazolam vai expirar no final de abril, e, dada a resistência dos fabricantes contra a droga ser utilizada nas execuções, Arkansas provavelmente vai enfrentar obstáculo se tentar renovar seu estoque.

Defensores do uso de midazolam, dizem que este é um substituto eficaz e seguro para drogas de execução, que se tornaram difíceis de adquirir. Críticos da pena de morte, entretanto, argumentam que o midazolam coloca os prisioneiros em risco de sofrer um doloroso castigo, o que é inconstitucional, porque o condenado pode estar insuficientemente anestesiado para a agonia causada por uma droga paralisante.

Em Ohio, a]uma execução demorou mais do que outras mortes induzidas por injeção no estado. O prisioneiro tossiu e se engasgou de uma forma nunca antes vista em uma execução.

Algumas pessoas já começaram a se perguntar se e quando outra droga vai substituir o midazolam na pena de morte. Walser, atualmente aposentado, disse que não sabia do uso de midazolam em execuções até um repórter entrar em contato com ele em 2015.

Fontes:
The New York Times-When a Common Sedative Becomes an Execution Drug

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. fabio chaves disse:

    Ora, é só importar de outros países uma droga sonífera mais potente para efetuar as execuções de forma realmente humana, é impossivel pensar que os EUA não possa resolver uma questão tão minúscula e irrisória como esta.

  2. alexandre disse:

    Troque o metodo de execução. Fuzilamente é mais eficiente, imediato, indolor e mais barato.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *