Início » Internacional » Quase 85 mil crianças morreram de fome no Iêmen desde 2015
RELATÓRIO

Quase 85 mil crianças morreram de fome no Iêmen desde 2015

Relatório da ONG Save The Children alerta para desnutrição aguda e fragilidade do sistema imunológico das crianças

Quase 85 mil crianças morreram de fome no Iêmen desde 2015
Dados são de relatório da ONG Save The Children, com base em dados da ONU (Fonte: Reprodução/savethechildren.org)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Um relatório divulgado nesta quarta-feira, 21, pela ONG Save The Children revelou que 84.701 crianças menores de cinco anos de idade morreram com desnutrição aguda grave entre abril de 2015 e outubro de 2018 no Iêmen.

Os dados foram coletados pela Organização das Nações Unidas (ONU). De acordo com a diretora da Save The Children no Iêmen, Tamer Kirolos, “para cada criança morta por bombas e balas, dúzias morrem de fome e é algo que pode ser prevenido completamente”.

Tamer ressaltou ainda que os sistemas imunológicos dessas crianças do Iêmen são tão frágeis que elas “são mais propensas às infecções, com algumas tão fracas que não conseguem nem chorar”.

Desde a intensificação da guerra no Iêmen, 14 milhões de pessoas correm o risco de sofrer uma crise de fome. Com o bloqueio marítimo e aéreo imposto pela coalizão saudita a insegurança alimentícia se agravou significativamente. A ONG Save The Children pede “o fim imediato da guerra para que não se percam mais vidas”.

“Precisamos com urgência obter alimentos com alto teor de nutrientes para as crianças mais vulneráveis do Iêmen, algumas das quais estão realmente à beira do abismo”, ressaltou Tamer. Ainda de acordo com a diretora, “com apenas US$ 60 é possível alimentar uma família de sete membros durante um mês inteiro”.

Fontes:
EBC - Cerca de 85 mil crianças morreram de fome no Iêmen nos últimos 4 anos

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *