Início » Economia » Queda brusca no preço do petróleo afeta os EUA
setor de energia

Queda brusca no preço do petróleo afeta os EUA

A queda dos preços do petróleo diminuirá o crescimento acelerado da produção de gás e petróleo de xisto dos Estados Unidos?

Queda brusca no preço do petróleo afeta os EUA
Executivos norte-americanos da indústria de petróleo e gás vão passar o Natal reformulando suas estratégias (Reprodução/Eyevine)

O boom da produção de gás e petróleo de xisto nos Estados Unidos tem provocado inveja em empresas de exploração de petróleo no mundo inteiro. A extração de petróleo e gás de xisto tem sido feita com a explosão das rochas metamórficas por meio de uma mistura de água, ácido, chumbo, benzeno e de uma tecnologia de fraturamento hidráulico. No entanto, agora que os preços do petróleo caíram quase 40% em seis meses, o entusiasmo das empresas produtoras de petróleo está sendo testado.

Leia mais; A nova economia do petróleo: xeiques versus xisto

Os executivos norte-americanos da indústria de petróleo e gás vão passar o Natal reformulando suas estratégias para enfrentar o novo cenário do preço de $70 do barril de petróleo, e da venda de ações e títulos dos investidores. Os executivos da Lukoil, uma grande empresa russa, agora dizem com desdém que o xisto assemelha-se à bolha da Internet, um modismo que está sendo visceralmente desmascarado.

A queda brusca dos preços do petróleo em geral causa cortes nos investimentos das empresas no setor de energia. Mas, por fim, a produção diminui e, em consequência, os preços se estabilizam. Mas o ônus desse ajuste no mercado de produção de petróleo recairá na exploração de petróleo e gás de xisto dos Estados Unidos. A extração de xisto foi responsável por cerca de 20% do investimento mundial na produção de petróleo em 2013. A Arábia Saudita, o principal país membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), foi clara ao dizer que aceitava os baixos preços do petróleo, desde que as finanças das empresas produtoras de gás e petróleo de xisto fossem tão pulverizadas como as rochas metamórficas.

Fontes:
The Economist-In a bind

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *