Início » Internacional » Queda da natalidade transformará a família asiática
diminuição das famílias

Queda da natalidade transformará a família asiática

Divisão de Populações das Nações Unidas estima que isso acontecerá em algum momento entre 2015 e 2020

Queda da natalidade transformará a família asiática
Em 2014, aproximadamente, essa grande mudança atingirá um marco (Reprodução/Internet)

Ao longo do último meio século a influência mais profunda que atuou sobre a maior parte da humanidade foi a grande e suave diminuição das famílias. Em 2014, aproximadamente, essa grande mudança atingirá um marco. No continente mais populoso do mundo, a Ásia, a taxa de natalidade total cairá para 2,1. Tal taxa expressa o número de crianças que uma mulher pode esperar ter ao longo de sua vida e 2,1 é um número mágico porque, caso seja mantido, gera um equilíbrio de longo prazo na população (o número também é conhecido com taxa de substituição). Em 1960 o tamanho médio da família asiática era de 5,8 pessoas.

O ponto exato no qual a taxa de natalidade atinge a taxa de substituição não pode ser apontado com certeza. A Divisão de Populações das Nações Unidas estima que isso acontecerá em algum momento entre 2015 e 2020. Mas demógrafos chineses acham que a ONU está superestimando significativamente a taxa de natalidade chinesa, então 2014 é uma estimativa razoável.

A queda na taxa de natalidade acontece no mundo todo. A América Latina experimentou tal queda quase que na mesma magnitude que a Ásia. Mas a Ásia é especial por duas razões. Primeiro, com uma população de 4,3 bilhões, o continente é lar de mais da metade da população mundial. A população da América Latina soma apenas um sétimo da asiática.

Em segundo, a queda na Ásia foi maior do que aparenta porque a média continental tem sido compensada por um aumento relativamente alto da natalidade no Oriente Médio. A queda da natalidade em áreas densamente povoadas da Ásia foi mais alta. A natalidade do leste asiático caiu para apenas 1,7, nível bem abaixo do de substituição. A queda em alguns lugares foi tão grande quanto qualquer outro país já tenha experimentado. A taxa de Bangladesh caiu de 6,9 para 2,9 nos 30 anos após 1970. No Irã (a ovelha negra do Oriente Médio) a taxa caiu de 6,5 em 1980 para 1,9 em 2005. Transformações sociais não têm como ser mais drásticas.

Fontes:
The Economist-From baby boom to bust

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *