Início » Internacional » Quem será o próximo secretário-geral da ONU?
GOVERNANÇA GLOBAL

Quem será o próximo secretário-geral da ONU?

Segundo artigo do 'New York Times', a chanceler alemã Angela Merkel seria a melhor opção

Quem será o próximo secretário-geral da ONU?
A Assembleia Geral para escolher o próximo secretário-geral da ONU vai ocorrer em setembro (Foto: Wikimedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A Organização das Nações Unidas (ONU) terá de decidir quem será seu próximo secretário-geral. No último dia deste ano, a organização e o atual secretário geral, o sul-coreano Ban Ki-moon, farão uma votação para escolher o próximo ocupante do mais alto cargo da ONU. A Assembleia Geral vai ocorrer em setembro.

Os Estados-membros vão entrevistar aqueles que se candidatarem. Quando Ban Ki-moon  se tornou o secretário-geral há nove anos, a luta em Darfur, no Sudão, era o mair conflito em discussão. Só que os conflitos aumentaram e a guerra civil  síria entra em seu sexto ano. Apesar das tentativas de Ban Ki-moon, a comunidade internacional não conseguiu encontrar uma maneira de solucionar problemas que claramente ameaçam a paz e a segurança.

A ONU é amplamente responsabilizada por esta falha. Mas a responsabilidade recai, na verdade, sobre os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança (EUA, Rússia, Reino Unido, França, China) e os transgressores da região. Agora, os cinco tem a oportunidade de ajudar a escolher um líder que seja capaz de mudar a dinâmica e reconstruir a relevância das Nações Unidas.  Mas quem seria o candidato ideal?

Portugal sugeriu seu ex-primeiro-ministro António Guterres, que ocupou o cargo de Alto Comissário das Nações Unidas. Só que há uma pressão para que os países do Leste Europeu tenham sua vez, segundo um sistema extraoficial de rotação. Este também é o momento para que as Nações Unidas indiquem uma mulher para o cargo pela primeira vez. Isto explica porque os países do Leste Europeu estão indicando mulheres como a búlgara Irina  Bokova, diretora-geral da Unesco, e Kristalina Georgieva, comissária da União Europeia.

Enquanto isso, pessoas de dentro das Nações Unidas falam sobre outro nome, o da chanceler alemã Angela Merkel. No ano passado, a imprensa alemã especulou sobre a possibilidade de sua candidatura.  Segundo a revista Der Spiegel, Merkel não quer ir para o quarto mandato como chanceler.

Nenhum candidato vai magicamente reconstruir o prestígio das Nações Unidas, mas existe uma lógica a favor da candidatura de Merkel. Além de ser mulher, ela cresceu na antiga República Democrática Alemã. Mais importante, ela teve um entendimento intuitivo com o presidente russo Vladimir Putin, que estava na cidade alemã de Dresden como uma autoridade da KGB (serviço secreto da União Soviética), quando houve a queda do Muro de Berlim. Embora a anexação da Crimeia pela Russia tenha testado a paciência de Merkel, ela continuou a conversar por telefone com Putin. Portanto, ela teria uma habilidade única de mediar as relações entre a Rússia e os Estados Unidos. Além disso, sua resposta à crise de refugiados só ressalta suas credenciais humanitárias. Enquanto ela demonstrou vontade de dar asilo para refugiados, a xenofobia crescia entre alguns líderes de países do Leste Europeu.

 

Fontes:
The New York Times-Why Angela Merkel Could Lead the U.N.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. Carlos U Pozzobon disse:

    Já foi comentado e sugerido o nome do Cefalópode para presidir a ONU. Na ocasião em que estava acometido pela afetada soberba da genialidade política, ele ficou tão lisonjeado que não percebeu que não sabia sequer falar espanhol, quanto mais ter que discursar em inglês quando não sabe sequer o que significam Good Morning, how do you do, peace e quetais. Outra alternativa foi se candidatar através de interpostos puxa-sacos para receber o Nobel da Paz que também deu com os burros n’água. Resolver o conflito israelense-palestino ele aceitou com orgulho, mas foi um fogo de palha que se extinguiu no mesmo dia em que foi indicado. Sobrou o papel de conferencista itinerante da Odebrecht, pago com a modéstia quantia de 400 mil reais para falar coisas para um público nacional e internacional que não são publicadas, não se encontra um rastro no Youtube e os participantes não revelam talvez pela simples razão de que uma sabedoria daquele quilate não deve ser arrotada. Humilharia a todos nós, réles mortais.

  2. Ronaldo Simões disse:

    Chanceler alemã Angela Merkel, um Grande nome e que tem o respeito de todos os continentes. O Planeta ganhará muito, caso haja sua indicação.

  3. Dedé Penha disse:

    que coisa, tudo é desculpa para falar de politica local, brasileiro acha que tudo gira em torno de seu próprio umbigo, o povinho egoísta e medíocre

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *