Início » Internacional » Radiação em Fukushima pode matar em quatro horas
Usina no Japão

Radiação em Fukushima pode matar em quatro horas

Níveis de radiação estão 18 vezes mais altos do que os registrados há uma semana

Radiação em Fukushima pode matar em quatro horas
Usina nuclear de Fukushima, no Japão (Fonte: Reprodução/TEPCO/AFP)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Autoridades japonesas alertaram neste domingo, 1º, que os níveis de radiação detectados perto de um tanque com água contaminada na usina de Fukushima estão 18 vezes mais altos do que os registrados há uma semana.

Leia também: Vazamento de água radioativa em Fukushima é grave

Isso significa que a radioatividade liberada é suficiente para matar uma pessoa em apenas quatro horas. A Tepco, empresa responsável pela usina, garante, no entanto, que a maioria da radiação liberada tem baixa penetração nos materiais e também é facilmente bloqueável se os trabalhadores utilizarem roupas de proteção.

A Tepco diz ainda que o aumento nas leituras de radioatividade pode estar ligado à limitação dos antigos instrumentos que mediam a radiação, cuja capacidade era de apenas 100 millisieverts. Agora, os instrumentos fazem leituras de até 10.000 millisieverts. De acordo com a Tepco, as leituras obtidas no último final de semana têm valores na ordem dos 1.800 millisieverts por hora.

A sucessão de incidentes em Fukushima mostra que a catástrofe de 11 de março de 2011 está longe de ser resolvida. O terremoto seguido de maremoto que atingiu o nordeste do Japão provocou a maior crise nuclear desde Chernobil, na Ucrânia, em 1986.

Papel do governo

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, ressalta que “o acidente de Fukushima não pode ser deixado inteiramente nas mãos da Tepco. Há necessidade do governo ter um papel urgente, incluindo o de tomar medidas para as águas residuais”.

A estimativa é de que a desativação da usina de Fukushima será concluída apenas daqui a pelo menos 40 anos.

Fontes:
Público - Radiação em Fukushima é 18 vezes maior do que foi medido

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *