Início » Internacional » Ransomware, o novo tipo de malware que exige pagamento de ‘resgate’
Cibercrime

Ransomware, o novo tipo de malware que exige pagamento de ‘resgate’

Exigência de resgate em dinheiro para decodificar arquivos criptografados por vírus é cada vez mais comum no mundo da ciberpirataria

Ransomware, o novo tipo de malware que exige pagamento de ‘resgate’
As ciberpiratarias estão aumentando e não se limitam às grandes empresas (Reprodução/Economist)

Quando os emails e filmes inéditos da Sony foram violados por hackers no final do ano passado, o interesse da imprensa concentrou-se na origem do ataque cibernético (talvez Coreia do Norte) e nos detalhes constrangedores do conteúdo dos emails (comentários depreciativos de artistas). A mídia deu menos importância ao fato de que os hackers deram ao gigante do entretenimento a chance de evitar a violação de seus arquivos, se obedecesse às exigências que haviam sido feitas.

As ciberpiratarias estão aumentando no mundo inteiro e não se limitam às grandes empresas. A história de um arquiteto italiano que procurou a Digital Forensics Bureau, uma empresa de segurança da informação em Turim, depois de baixar inadvertidamente um vírus que criptografou todos os seus arquivos e enviou uma mensagem em que pedia dinheiro para decodificá-los, mostra que as ações dos piratas cibernéticos estão se expandindo. Nem a empresa ou o arquiteto conseguiu decodificá-los. Diante da ameaça de perder todos os arquivos de 14 anos de carreira, ele capitulou, pagou o que fora pedido e recebeu um código de acesso por email.

O ransomware com um pedido de “resgate” para recuperar arquivos criptografados não é um fenômeno passageiro, disse Troels Oerting, do European Cybercrime Centre da Europol. O surgimento do bitcoin, uma criptomoeda digital que pode ser usada de maneira anônima, contribuiu em grande parte para a disseminação desse novo tipo de malware. A maioria dos resgates tem de ser pagos e as mensagens com o pedido de resgates explicam como comprá-los em sites. Outras opções online como PayPal precisam de cartão de crédito ou de débito, ou uma conta bancária, o que é mais arriscado para os hackers.

Muitos desses hackers são da Rússia e as autoridades do país não estão interessadas em procurá-los. Suas vítimas estão espalhadas pelo mundo inteiro. Só na Austrália, segundo uma informação da Australian Crime Commission, um órgão do governo,entre agosto e meados de dezembro cerca de 16 mil pessoas, empresas e órgãos governamentais pagaram um total de $8 milhões (US$7 milhões) depois de baixarem o ransomware. Nem todas as vítimas recuperaram seus arquivos. Algumas se recusaram a pagar o resgate e, assim como os assaltantes de estrada do século XVII que às vezes roubavam o dinheiro e depois matavam suas vítimas, os equivalentes digitais nem sempre cumprem a promessa de desbloquear os arquivos. Além disso, os programadores de ransomware se mantêm mais atualizados do que os softwares antivírus, com o aperfeiçoamento constante de seus códigos.

Fontes:
The Economist - Your money or your data

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *