Início » Vida » Educação » Reforma educacional na Turquia troca evolucionismo por ideais islâmicos
ENSINO RELIGIOSO

Reforma educacional na Turquia troca evolucionismo por ideais islâmicos

Governo turco alega que teoria da evolução é 'muito complicada' e distribui livros didáticos que ensinam conceitos como jihad

Reforma educacional na Turquia troca evolucionismo por ideais islâmicos
Erdogan chegou a declarar que gostaria de criar uma 'geração devota' no país (Foto: Wikimedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Uma polêmica reforma educacional tem levantado um debate na Turquia sobre o ensino religioso no país. Em meio a críticas, o governo do presidente Recep Tayyip Erdoğan vem ampliando seus esforços para introduzir os ideais do islamismo nas escolas, sobretudo após a tentativa frustrada de golpe militar em 2016.

Recentemente, o governo turco implementou uma alteração no currículo escolar em que a teoria evolucionista deixaria de ser ensinada em sala de aula, dando lugar ao ensino dos fundamentos islâmicos, inclusive do conceito de jihad. Autoridades turcas justificam a mudança afirmando que o conteúdo é muito complicado e dever ser ensinado somente nas universidades.

“Nós somos moderados”, disse o ministro da educação turco Ismet Yilmaz em uma conferência de imprensa recente na qual anunciou a reforma educacional. “Nós queremos um sistema educacional de qualidade que no ajude a olhar para frente”.

Enquanto isso, os críticos da medida alegam que a mudança traz conceitos sexistas e anticientíficos para os livros didáticos e afirmam que a reforma é um “golpe contra a educação laica”.

“As mudanças [no currículo] são ideológicas, e não científicas e acadêmicas. Essa manipulação da história e a fuga da teoria da evolução não são boas para as crianças”, afirmou uma professora turca com o pseudônimo Ayşe Kazancı, em entrevista ao jornal britânico Guardian. Erdogan chegou a declarar que gostaria de criar uma “geração devota” no país.

Mudança nos livros

A iniciativa do governo consiste em distribuir livros didáticos sobre o islamismo nos colégios vocacionais religiosos do país, conhecidos como escolas İmamHatip. Neles são usados trechos do Alcorão para explicar a religião e o conceito de jihad – definida como “guerra religiosa” pelo dicionário do Instituto de Língua Turca.

Um livro chamado “Vida de Maomé, O Profeta” tem atraído diversas críticas no país por suposto machismo, ao definir um papel de “obediência” da mulher ao homem, e também por explicar a jihad.

O governo turco, no entanto, entende que o ideal de obediência feminina é compreensível por fazer parte da religião. “Alá diz isso, não eu. Eu deveria corrigi-lo, é isso?”, disse Alpaslan Durmus, presidente do Conselho de Educação turco.

Além disso, o governo defende que o conceito de jihad deveria ser introduzido como parte do Islã dentro do contexto de “amar uma nação” e que grupos extremistas, como o Estado Islâmico, se apropriaram do conceito indevidamente.

Para o sindicato Egitim Sen, a iniciativa do governo é “ideológica e deliberada”. “De acordo com o Instituto Turco de Linguagem, o significado principal de jihad é ‘guerra religiosa’”, disse Feray Aydogan, o líder do sindicato. “Qual é o objetivo de explicar somente o segundo e o terceiro significados?”, completou.

Fontes:
The Guardian-'They want a devout generation': how education in Turkey is changing
BBC-A polêmica reforma educacional na Turquia, que deixou de ensinar evolução e agora fala de jihad

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *