Início » Internacional » Relatórios denunciam abusos cometidos na guerra da Síria
Assassinatos em escala industrial

Relatórios denunciam abusos cometidos na guerra da Síria

Relatório encomendado pelo Qatar acusa Assad de torturar e matar prisioneiros. Outro relatório, feito pela Humans Rights Watch, responsabiliza os dois lados da guerra pelas atrocidades cometidas

Relatórios denunciam abusos cometidos na guerra da Síria
Documento acusa Bashar Assad de promover uma matança de prisioneiros em "escala industrial" (Reprodução/Reuters)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Dois relatórios divulgados nesta terça-feira, 21, denunciam os graves abusos cometidos na guerra da Síria. Os relatórios foram divulgados um dia antes da conferência de paz sobre a Síria na ONU, prevista para ocorrer nesta quarta-feira, 22.

O primeiro relatório foi encomendado pelo governo do Qatar, que apoia os rebeldes, e feito por três importantes ex-promotores. O documento acusa Bashar al-Assad de promover uma matança de prisioneiros em “escala industrial”.

Segundo o relatório, as forças de al-Assad torturaram e “assassinaram sistematicamente” mais de 11 mil prisioneiros. A maioria das vítimas eram homens jovens que morreram de fome, estrangulamento e outras formas de tortura, como eletrocussão e espancamento.

O segundo relatório foi feito pela organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch. A organização acusa os dois lados da guerra, governo e oposição, de cometerem atrocidades contra civis. A Human Rights Watch cobra que a conferência de paz sobre a Síria na ONU resulte em mais proteção para os civis.

Irã fora da conferência

Na última segunda-feira, 21, a ONU retirou o convite do Irã para participar da conferência de paz sobre a Síria, alegando que o país não se comprometeu a endossar um plano de paz para a Síria discutido em 2012.

Nesta terça-feira, a porta-voz do governo  iraniano, Marzieh Afkham, exigiu explicações do secretário-geral da ONU, Ban Ki Moon, e disse que o Irã irá cobrar que Moon revele as “verdadeiras razões” para a mudança.

Fontes:
The Guardian-Syrian regime document trove shows evidence of 'industrial scale' killing of detainees
O Globo-Dois relatórios denunciam abusos na guerra síria
Folha-Irã critica retirada de convite da ONU para conferência sobre Síria

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *