Início » Internacional » Republicanos eliminam órgão que investiga casos de corrupção
GOVERNO TRUMP

Republicanos eliminam órgão que investiga casos de corrupção

Escritório de Ética Congressional, que investiga de forma independente casos de corrupção, passará a ser gerido pelo Comitê de Ética, que é controlado pelos parlamentares

Republicanos eliminam órgão que investiga casos de corrupção
Republicano Bob Goodlatte diz que medida não afetará o combate à corrupção (Foto: Flickr/Gage Skidmore)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O Congresso republicano tomou posse nesta terça-feira, 3, com uma ambiciosa agenda política. Após quase uma década, os republicanos voltam a controlar a Câmara e o Senado dos EUA e pretendem aprovar medidas defendidas pelo partido que há anos estão paradas no Congresso.

Uma delas foi efetivada já nesta terça-feira. Sob intensas críticas, os republicanos votaram a favor do fim do Escritório de Ética Congressional (OCE, na sigla em inglês). O órgão foi criado em 2008 para investigar denúncias contra parlamentares após um escândalo envolvendo pagamento de propina ser revelado.

A proposta foi apresentada pelo republicano Bob Goodlatte. Ela prevê que o Escritório de Ética Congressional passe a ser controlado pelo Comitê de Ética do Senado, que é controlado pelos parlamentares e já foi alvo de várias críticas por ignorar denúncias contundentes contra políticos. A junção dos órgãos criará o Escritório Congressional de Análises de Denúncias.

A medida dá aos parlamentares a palavra final para decidir se um colega deve ou não ser sujeito a um processo penal. Na última segunda-feira, 2, Goodlatte defendeu sua proposta, afirmando que ela não impedirá o combate à corrupção. Segundo ele, a medida servirá apenas para impedir que parlamentares sejam vítimas de injustiça dos excessos do OCDE. “O OCE tem um sério e importante papel no Congresso, e essa medida não faz nada para impedir seu trabalho”, disse Goodlatte.

Parlamentares que trabalharam para criar o órgão criticaram a medida e a forma velada como ela foi orquestrada. “Republicanos alegam que querem ‘drenar o pântano’, mas na noite anterior à posse, o partido elimina a única investigação independente da ética de suas ações. Evidentemente, a ética é a primeira vítima do novo congresso republicano”, disse a democrata Nancy Pelosi, na noite de segunda-feira. A expressão “drenar o pântano” tem sido usado pelos republicanos para se referir às ações que tomarão contra o atual cenário político e econômico dos EUA.

O OCE é um órgão controverso e alvo de críticas de parlamentares investigados – republicanos e democratas. Segundo eles, as investigações conduzidas pelo órgão são muito mais agressivas que as do Comitê de Ética.

O órgão foi criado após os parlamentares Duke Cunningham (republicano), William J. Jefferson (democrata) e Bob Ney (republicano) terem sido flagrados em um esquema de recebimento de propina. Os três foram sentenciados à prisão.

A ação dos republicanos é um prenúncio do governo de Donald Trump, que tomará posse no dia 20 deste mês e já declarou que pretende rever várias medidas tomadas pela gestão de Barack Obama que vão da saúde à infraestrutura.

Fontes:
The New York Times-With No Warning, House Republicans Vote to Gut Independent Ethics Office

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *