Início » Internacional » A revolta da reeleição no Paraguai
PAÍS EM FÚRIA

A revolta da reeleição no Paraguai

Atual presidente quer poder se reeleger, mas paraguaios se opõem

A revolta da reeleição no Paraguai
Proposta de mudança foi aprovada no Senado e desencadeou a ira dos manifestantes (Foto: Twitter)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O Paraguai foi palco de protestos na semana passada. Manifestantes lutaram contra a polícia e o ativista de oposição Rodrigo Quintana acabou morto com um tiro na cabeça.

A violência ocorreu pela vontade do atual presidente, Horacio Cartes, querer se reeleger em 2018. A constituição de 1992 proíbe presidentes de se reeleger após um mandato de cinco anos. A medida é uma forma de segurança contra a ditadura. O Paraguai viveu uma ditadura entre 1954 e 1989.

No dia 28 de março, 25 senadores, incluindo do partido de esquerda Frente Guasú, de Fernando Lugo, um ex-presidente que pode concorrer novamente, propuseram uma emenda constitucional para permitir a reeleição.

A forma como a proposta de mudança foi aprovada no Senado desencadeou a ira dos manifestantes. Alguns temem que o maior beneficiário da reeleição seja Lugo, que sofreu impeachment em 2012.

Logo depois que o senadores votaram, os manifestantes foram em direção ao congresso. A polícia prendeu 211 pessoas.

O governo de Cartes tenta agora recuperar sua reputação. O governo vai aceitar a decisão da Suprema Corte, segundo o ministro da Indústria e do Comércio Gustavo Leite. Cartes, no entanto, deve acabar ganhando essa batalha, porque o tribunal está cheiao de aliados.

Fontes:
The Economist-A row over re-election in Paraguay

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *