Início » Internacional » Rússia e Argentina assinam acordo nuclear estratégico
PACTO NUCLEAR

Rússia e Argentina assinam acordo nuclear estratégico

Putin e Macri concordaram em expandir relações bilaterais em áreas como energia nuclear, saúde, pesca e segurança internacional

Rússia e Argentina assinam acordo nuclear estratégico
Argentina e Rússia são parceiros próximos no cenário mundial (Foto: Kremlin.ru)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Os presidentes da Argentina, Mauricio Macri, e da Rússia, Vladimir Putin, anunciaram a ampliação de diferentes acordos bilaterais entre os países, entre eles, um pacto nuclear. O encontro entre os líderes ocorreu após a Cúpula do G20, que aconteceu no último final de semana, em Buenos Aires, na Argentina.

O acordo nuclear foi assinado pelo CEO da Companhia Estatal de Energia Nuclear da Rússia, a Rosatom, Alexey Likhachev, e pelo ministro de Energia da Argentina, Javier Iguacel. Segundo um comunicado da Rosatom, o pacto é “estratégico” e visa “melhorar a cooperação no uso pacífico da energia nuclear”.

Recentemente, a Argentina anunciou que estava negociando com a China a construção de uma nova usina nuclear. Por isso, o documento com a Rússia não prevê, inicialmente, a construção de novas usinas em território argentino. No entanto, os países podem considerar a futura fundação de uma usina nuclear flutuante, tendo em base a criação russa da Akademik Lomonosov, inaugurada no fim de abril deste ano.

“O documento assinado nos permitirá ampliar a cooperação existente com nossos parceiros argentinos. Todos nós, na Rosatom, estamos certos de que esta medida incentivará nossa cooperação mutuamente benéfica na aplicação da tecnologia nuclear para fins pacíficos”, afirmou Likchachev sobre o acordo.

De acordo com a Rosatom, o novo pacto prevê, principalmente, colaboração entre os dois países em desenvolvimento de diferentes estratégias de execução de projetos a serem aplicados em usinas nucleares já existentes. Ademais, o acordo estabelece ainda a construção de centros de pesquisas e desenvolvimento de capacidade pessoal. Por fim, o documento permite também oportunidades de pesquisas conjuntas e treinamento de pessoal.

“Acabamos de ter uma reunião de trabalho muito proveitosa e consideramos questões na agenda bilateral; tomamos as medidas necessárias para expandir e diversificar ainda mais nossas relações. […] Hoje, assinamos uma série de acordos que nos permitirão expandir o escopo de nossa cooperação bilateral em áreas-chave como saúde, pesca e energia nuclear”, afirmou Mauricio Macri em uma coletiva de imprensa após o fim da reunião com Putin.

Além do acordo nuclear, Argentina e Rússia também chegaram a um entendimento em outros assuntos, principalmente na área de alimentação e segurança internacional. De acordo com Macri, a exportação de pescado argentino para Moscou deve aumentar com a assinatura do documento. Ademais, em reuniões também com China e Índia, as exportações alimentares também devem crescer.

Já Putin destacou os acordos com a Argentina pela segurança internacional, incluindo “a luta contra o crime organizado transnacional, inclusive no ciberespaço, produção e tráfico ilícito de drogas e outras ameaças e desafios modernos”. Dessa forma, Rússia e Argentina se tornam parceiros comerciais ainda mais próximos.

Parceria

Rússia e Argentina são parceiros comerciais e diplomáticos de longa data. Desde que Macri assumiu a presidência, em 2015, esta foi a terceira vez que se encontrou com Putin. Nas outras reuniões, os presidentes já haviam falado sobre pactos nucleares e a expansão do comércio entre as nações.

De acordo com Putin, a maior colônia de russos na América Latina se concentra na Argentina, uma das principais economias do continente americano. Ainda segundo o presidente russo, os laços econômicos entre os países seguem em constante expansão. Em 2017, o comércio entre as nações atingiu US$ 890 milhões. Já nos nove primeiros meses de 2018, foi registrado um crescimento de 26%. A expectativa é que o comércio bilateral alcance US$ 1 bilhão até o fim de 2018.

“Gostaria de agradecer ao senhor presidente a oportunidade de nos encontrarmos separadamente, hoje, para realizar esses úteis contatos bilaterais. Estou confiante de que continuaremos a avançar no caminho da expansão de nossa interação”, afirmou Putin.

Mauricio Macri, por sua vez, já observa o futuro das relações com a Rússia com bons olhos. O presidente argentino anunciou que, no próximo ano, com a liderança dos países, as nações tentarão alcançar um acordo comercial entre o Mercosul e a União Econômica Eurasiática. A Argentina vai presidir o bloco latino-americano no primeiro semestre de 2019.

 

Leia também: Rússia quer ser contraponto aos EUA na América Latina

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Rogerio Faria disse:

    Catucando o Tio San com vara curta…

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *