Início » Internacional » Rússia faz desaparecer opositores tártaros na Crimeia
PERSEGUIÇÃO E SEQUESTRO

Rússia faz desaparecer opositores tártaros na Crimeia

Rússia implementa campanha de intimidação, prisão e sequestro contra população tártara da Crimeia, maior opositora da anexação russa

Rússia faz desaparecer opositores tártaros na Crimeia
A cada dia, a lista de tártaros da Crimeia desaparecidos aumenta (Foto: Pinterest)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Ativistas de direitos humanos vêm alertando para a crescente campanha russa de intimidação contra os tártaros da Crimeia. Tal campanha inclui intimidação, prisão, interrogatório e sequestro.

A população tártara vivia na Crimeia séculos antes da chegada dos russos e dos ucranianos. Hoje, ela corresponde a 13% dos residentes locais e são conhecidos como os tártaros da Crimeia. Eles foram os maiores opositores da anexação russa concluída em 2014, chegando a boicotar o referendo feito sobre a medida.

Essa resistência despertou a ira do Kremlin, que iniciou uma campanha para silenciar os tártaros. A primeira medida foi fechar todos os canais de mídia independente da região, o que incluiu a emissora tártara ATR. O passo seguinte foi a campanha de perseguição para intimidar e prevenir a oposição.

“Eles perceberam que não conseguiriam subjugar os tártaros, então começaram uma campanha para silencia-los. Se eles têm medo, não falam, não verbalizam suas angústias e não vão gritar que a Crimeia é ucraniana”, disse, em entrevista ao Guardian, Ilmi Umerov, ex-prefeito da capital tártara da Crimeia, Bakhchisarai.

Umerov geriu Bakhchisarai por nove anos. Ele permaneceu no posto até alguns meses após a anexação, mas decidiu renunciar afirmando não ser capaz de servir a um regime de ocupação. Foi então que seus problemas começaram. Acusado de “separatismo” pelas autoridades russas ele foi julgado por um tribunal de Simferopol, capital da Crimeia, que ordenou que ele passasse por avaliações psicológicas. Ele passou três meses trancado em uma clínica psiquiatra e ainda terá de passar por novo julgamento.

Tanya Cooper, pesquisadora especializada em Ucrânia da Human Rights Watch, disse que o tratamento dado a Umerov “é uma vergonhosa tentativa de usar a psiquiatria para silencia-lo e manchar sua reputação, uma prática que foi popular contra dissidentes do regime soviético”.

Outro que teve problemas por se posicionar contra a anexação foi o ativista tártaro Akhtem Chiygoz. Ele foi preso na época da anexação, em um confronto entre forças russas e tártaros, no qual duas pessoas morreram. Ele foi acusado de perturbar a paz, embora testemunhas tenham dito que ele tentava acalmar os presentes quando foi detido. “Considero ele um refém, e é necessário para a Rússia ter um julgamento midiático para mostrar que protestar é perigoso”, disse Nikolai Polozov, advogado de Chiygoz.

Em maio deste ano, o ativista tártaro Ervin Ibragimov desapareceu em Bakhchisarai. Câmaras de segurança registraram o momento em que ele foi forçado a entrar em uma viatura de polícia. Desde então não se teve mais notícias dele.

“Eu não sei por que isso aconteceu, mas tenho certeza que foram os oficiais (russos) ou pessoas ligadas a eles”disse Umer Ibragimov, pai de Ervin, ressaltando que semanas antes de desaparecer o filho havia dito que percebeu que pessoas o seguiam.

A cada dia, a lista de desaparecidos aumenta. Em alguns casos, os ativistas são delatados por outros tártaros que viram na cooperação com a Rússia a única forma de ter segurança. Diariamente, oficiais russos fazem visitas em casas de bairros tártaros, oferecendo coexistência pacífica em troca de informações sobre opositores.

O ativista Ayder Muzhdadbayev faz uma definição sombria da atual situação da Crimeia. “Não há cercas de arame-farpado nesse novo gueto híbrido de Vladimir Putin – ainda. Em vez disso, há propaganda para alimentar o ódio, vigilância total e intimidação constante”.

Fontes:
The Guardian-Crimean Tatars accuse Russia of kidnappings and political arrests

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Roberto disse:

    Sanções nada mudam para um Terrorista Mafioso como o Putin. Pouco se importa com isso. Não tem fronteiras para ele. consegue o que quer por outros meios. somente não o aceitando nas comunidades mundiais, isolando-o como “Líder” Russo, , se conseguiria algo mais efetivo. Até lá, será mais do mesmo. Só areia nos olhos, faz de conta.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *