Início » Internacional » Rússia pode solucionar a crise no turismo da Tunísia
CHEGADA INESPERADA

Rússia pode solucionar a crise no turismo da Tunísia

A nova prosperidade do turismo na Tunísia com a chegada inesperada dos russos

Rússia pode solucionar a crise no turismo da Tunísia
Terrorismo prejudicou o turismo na Tunísia (Foto: Wikipedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

“O ano passado foi especialmente difícil”, disse Sabri Belhaouane. O guia turístico de nacionalidade russa e tunisiana atribui a queda do turismo na Tunísia aos dois atentados terroristas em 2015 e aos crimes recentes. Em março deste ano três homens armados mataram 22 pessoas em um museu em Túnis; em junho, um atirador solitário assassinou 38 pessoas em um resort à beira-mar em Sousse. Quase todas as vítimas eram turistas. Um milhão de pessoas cancelaram os planos de visita à Tunísia. Cerca de 70 hotéis fecharam e as receitas do turismo, que equivaliam a 7% do PIB, reduziram-se à quase metade.

O setor incipiente de turismo da Tunísia parecia condenado ao colapso até a chegada dos russos. Neste ano, 600 mil turistas russos visitaram a Tunísia, sobretudo, jovens famílias e aposentados dos arredores de Moscou e de São Petersburgo. Esse número corresponde a dez vezes mais a quantidade de visitantes do ano passado. Historicamente, o turismo na Tunísia tem atraído visitantes de países não árabes. Os franceses, incentivados pela familiaridade linguística e cultural, foram os primeiros a se interessarem em visitar o país. Em seguida, a Tunísia começou a receber turistas ingleses, espanhóis, italianos e alemães. Mas as advertências e cancelamentos de viagens das grandes agências de turismo da Europa ocidental obrigaram a Tunísia a atrair turistas de outros países.

O turismo tunisiano tem prosperado com a decisão do governo russo de restringir as viagens ao Egito e à Turquia, dois lugares muito populares entre os russos à procura de sol. Em outubro de 2015, um avião de passageiros russo explodiu quando sobrevoava a península do Sinai, no Egito; Vladimir Putin proibiu por tempo indeterminado as viagens de aviões russos ao Egito. No mês seguinte, a Força Aérea turca abateu um jato russo na Síria; os voos charter e a venda de pacotes turísticos para a Turquia foram interrompidos até este verão.

A Tunísia está se adaptando aos novos turistas russos. Agora é comum encontrar cardápios escritos em cirílico e ver ônibus cheios de turistas russos bronzeados e vestidos com bermudas, passeando pela Avenue Bourguiba, a principal avenida no centro de Túnis. O Office National du Tourism Tunisien tem um escritório em Moscou e está pensando em abrir um escritório em São Petersburgo. Os cursos de línguas em Djerba dão aulas de russo aos guias de turismo. Alguns hotéis, acusados de diluir cerveja com água, estão aprendendo a serem menos avarentos com bebidas.

O seguro de viagem grátis oferecido pelo cartão Visa e os preços baixos graças a um dinar fraco também estimulam o turismo. Os pacotes turísticos baratos com todas as despesas incluídas proíbem qualquer pensamento relacionado ao terrorismo. “Não sei nada a esse respeito”, disse Ludmila, uma professora de 70 anos de Krai de Perm, perto das montanhas dos Urais, em visita a Sousse. Assim como muitos turistas russos, sua principal queixa refere-se ao lixo nas ruas. Mohamed Ali Toumi, presidente da Federação de Agentes de Viagens da Tunísia, tem uma explicação mais simples sobre a indiferença em relação ao terrorismo: “Os russos não se assustam com facilidade.”

Fontes:
The Economist-The Russians are coming

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. ANGELA SANTAVENERE disse:

    GOSTARIA DE MAIS NOTÍCIAS SOBRE A TUNÍSIA: TÚNIS,OIL,SOBRE ECONOMIA,SAÚDE,RELIGIÃO LOCAL,PERSPECTIVA POLÍTICA,TURISMO. GRATA

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *