Início » Cultura » ‘Salvator Mundi’ foi comprado por príncipe saudita
VENDIDO POR US$ 450,3 MILHÕES

‘Salvator Mundi’ foi comprado por príncipe saudita

Vendido por US$ 450,3 milhões, um valor recorde pra leilões de obras de arte, o quadro de Leonardo da Vinci foi comprado pelo príncipe Bader al-Saud

‘Salvator Mundi’ foi comprado por príncipe saudita
O famoso quadro de Da Vinci foi arrematado pelo príncipe saudita no último dia 15 de novembro (Foto: Wikimedia)

Quase um mês após o quadro “Salvator Mundi”, de Leonardo da Vinci, ser vendido pelo preço recorde de US$ 450,3 milhões, o mundo conheceu seu comprador na última quarta-feira, 6. Trata-se do príncipe saudita Bader bin Abdullah bin Mohammed bin Farhan al-Saud, que vai expor a obra no Museu do Louvre de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes.

O famoso quadro de Da Vinci foi arrematado pelo príncipe saudita no último dia 15 de novembro, na casa de leilões Christie’s. A obra, que conta com uma pintura de Jesus segurando uma esfera de cristal em uma das mãos, foi adquirida por cerca de US$270 milhões a mais do que a segunda mais valiosa do mundo, “As Mulheres de Argel (Versão ‘O’), de Pablo Picasso.

Pouco conhecido mundialmente, o príncipe Bader teve a sua identidade resguardada até mesmo para os executivos de Christie’s até o dia anterior a venda do quadro. Com isso, os membros da casa de leilão tiveram que se esforçar para estabelecer uma identidade e reconhecer a origem do dinheiro, mesmo depois do príncipe ter pago os US$ 100 milhões necessários para se qualificar ao leilão.

O príncipe Bader é amigo do príncipe herdeiro do trono saudita, Mohammed bin Salman, de 32 anos, que é reconhecido como o líder do expurgo contra a corrupção social na elite árabe. Ambos estudaram juntos na Universidade King Saud, em Riad, capital Arábia Saudita.

Relação próxima

O príncipe Bader é de uma linhagem mais baixa da família real, o Farhan, que é descendente de um irmão de um governante do século XVIII. Depois que o rei Salman, agora com 81 anos, assumiu o trono em 2015, o príncipe Mohammed foi nomeado para administrar grande parte do governo saudita, colocando Bader em altos cargos.

Em julho deste ano, o rei Salman colocou o príncipe Bader como um dos responsáveis por uma comissão para desenvolver a província de Al Ola, onde o príncipe Mohammed quer transformar um sítio arqueológico em destino turístico. A ação faz parte dos planos do príncipe herdeiro para o reino, conhecido como Saudi Vision 2030.

Contexto político e religioso

A campanha do príncipe Mohammed para acabar com a corrupção está preocupando os governos ocidentais sobre a estabilidade política do maior produtor de petróleo do mundo. Ademais, antes da compra recorde do quadro por um de seus associados, as extravagâncias do membro da família real já chamavam a atenção dos opositores, principalmente pela compra de um iate de 440 pés por meio bilhão de dólares em 2015.

Menos de duas semanas antes da compra do quadro pelo príncipe Bader, o príncipe Mohammed havia ordenado uma campanha de repressão a mais de 200 importantes príncipes sauditas, empresários e funcionários governamentais. Com o reino afetado por anos pelos preços do petróleo, o herdeiro do trono estava tentando recuperar centenas de bilhões de dólares em ganhos ilícitos.

Por ser uma pintura que representa Jesus Cristo, o príncipe Bader arriscou ao adquirir a obra de Da Vinci. Na cultura muçulmana – principal religião da Arábia Saudita -, Cristo é apresentado como um profeta, não como um salvador. Os religiosos, principalmente os clérigos do país, consideram a representação artística de qualquer um dos profetas como uma forma de sacrilégio.

Histórico da pintura

Questionada por muitos especialistas se realmente é uma pintura de Leonardo da Vinci, “Salvator Mundi” ganhou um novo status com a sua compra pelo valor recorde. O proprietário anterior, Dmitry E. Rybolovlev, é um magnata russo, que comprou uma casa na Flórida há quase 10 anos, que hoje pertence ao presidente Donald Trump, por US$ 95 milhões. Em 2013, pagou US$ 127,5 milhões pela obra de Da Vinci.

Fontes:
New York Times - Mystery Buyer of $450 Million ‘Salvator Mundi’ Was a Saudi Prince

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. carlos alberto martins disse:

    o que foi pago,tiraria milhões de seres humanos da fóme e da doença.é incrivel a falta de sensibilidade de determinados milionários.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *