Início » Economia » Sebastián Piñera retorna à presidência do Chile
NOVO PRESIDENTE

Sebastián Piñera retorna à presidência do Chile

Piñera já havia ocupado o cargo entre 2010 e 2014. Em discurso de posse, ele anunciou reformas e disse que não vai destruir o legado de Michelle Bachelet

Sebastián Piñera retorna à presidência do Chile
Piñera vai viabilizar mudanças em reformas promovidas pela sua antecessora (Foto: Divulgação/Prensa Presidencia)

O político conservador Sebastián Piñera, de 68 anos, assumiu a presidência do Chile no último domingo, 11, em cerimônia realizada na sede do Congresso, em Valparaíso. Em seus discursos ainda durante o período eleitoral, Piñera tinha como principal proposta fortalecer a economia chilena. As eleições que elegeram o novo chefe de Estado ocorreram em dezembro de 2017.

Em seu primeiro discurso, o novo presidente, que já esteve no cargo entre os anos de 2010 e 2014, disse que não destruirá o legado de sua antecessora, a socialista Michelle Bachelet, mas promoverá mudanças em algumas reformas feitas pela ex-presidente, como a trabalhista, educacional e tributária. Além disso, anunciou que será um governo de “progresso e solidariedade”.

“O governo que inauguramos hoje será um governo que buscará sempre a unidade entre os chilenos, que substituirá a lógica errônea da retroescavadeira e do confronto pela cultura saudável do diálogo, dos acordos e da colaboração”, afirmou o novo presidente em seu discurso no palácio presidencial La Moneda, em Santiago, na capital do Chile.

Com a mesma postura de quando ganhou a presidência nas eleições de 2009, Piñera vê o fortalecimento do comércio internacional e a alta no preço do cobre como perspectivas favoráveis ao crescimento da economia chilena. Além disso, antes mesmo de assumir a presidência, o novo chefe de Estado já tinha preparado medidas como a diminuição de impostos sobre as empresas, favorecendo a atividade econômica e a criação de novos empregos.

“Quero reiterar o compromisso que fizemos durante a campanha: as prioridades do nosso governo serão as prioridades dos chilenos. E, portanto, vamos colocar todo o nosso compromisso, nosso esforço e nossas capacidades para alcançar e atingir certos objetivos essenciais. Retirar o crime, o tráfico de drogas e o terrorismo, para que possamos promover a segurança de nossas famílias, a integridade da nossa juventude e a paz nas nossas regiões”, disse durante o discurso.

Presidentes de diferentes países do continente americano estiveram presentes na cerimônia de posse de Piñera no Chile, entre eles: Michel Temer, do Brasil; Enrique Peña Nieto, do México; Lenín Moreno, do Equador; Mauricio Macri, da Argentina; e Pedro Pablo Kuczynski, do Peru. Além disso, o rei emérito da Espanha, Juan Carlos I, também compareceu à solenidade.

Como a sua primeira atividade especial, Piñera visitou um centro de crianças vulneráveis em Santiago, anunciando a criação do Ministério da Família, com o objetivo de melhorar as condições de jovens menores de idade recolhidos em centro mantidos pelo Estado.

Além disso, no centro da capital chilena, se comprometeu a implementar outros acordos, como para a infância, para derrotar a pobreza, para melhorar a saúde e para a paz na região de La Araucanía, no sul do Chile – que passa por um conflito entre comunidades mapuches. No campo de segurança pública, Piñera disse que vai buscar modernizar a polícia e fortalecer a capacidade de reabilitação de criminosos.

Segundo mandato

Ao contrário de sua primeira passagem pela presidência do Chile, entre 2010 e 2014, Piñera vai encontrar um Congresso Nacional muito dividido, não contando com o apoio da absoluta maioria, e com parte dele querendo se aprofundar nas reformas propostas pela ex-presidente Bachelet.

Isso porque, a base governista, formada pela coalizão Chile Vamos, tem 19 senadores e 71 deputados entre os eleitos. A nova oposição de centro-esquerda, por sua vez, tem 16 assentos no Senado e 43 cadeiras na Câmara. A esquerda radical Frente Ampla, coalizão de pequenos partidos, tem 20 deputados e um senador.

Já o seu gabinete, que foi anunciado ainda no mês de janeiro, contará com velhos conhecidos do povo chileno, com seis membros já tendo estado em comando de Ministérios no primeiro mandato do presidente. Já em um quadro geral, o Chile contará com sete ministras e 16 ministros.

Com Piñera, a direita volta, mais uma vez, ao poder no Chile. A primeira vez que os conservadores assumiram o poder, depois da ditadura de Augusto Pinochet (1973 – 1990), foi em 2010, justamente com Piñera, que deu fim a 20 anos de governos de centro-esquerda. Agora, em 2018, o chefe de Estado volta ao poder depois do país ter passado mais quatro anos sob o comando de uma candidata da esquerda.

Fontes:
Prensa Presidencia-"Chile somos todos y debemos soñarlo, dibujarlo y construirlo entre todos"; el primer discurso del Presidente Piñera en el Palacio de La Moneda
G1-Piñera faz chamado de unidade em seu primeiro discurso como presidente do Chile
DW-Piñera assume presidência do Chile

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *